Correio B

CINEMA

Circuito exibirá filmes do 'Revelando os Brasis'

Circuito exibirá filmes do 'Revelando os Brasis'

CRISTINA MEDEIROS

06/07/2011 - 00h00
Continue lendo...


Há 8 anos, o Projeto Revelando os Brasis tem conseguido promover a inclusão e a formação audiovisual por meio do estímulo à produção de vídeos digitais executados por moradores de municípios com até 20 mil habitantes, previamente inscritos e que tiveram seus trabalhos selecionados. Na atual etapa, as produções de representantes de todo o Brasil estão prontas e participam de uma mostra nacional itinerante que chegará a várias regiões brasileiras.
Em Mato Grosso do Sul serão exibidos, entre outros, os dois filmes representantes do Estado: “Enterro”, de Hilda Maria dos Santos e “Saga de um carvoeiro”, de Lúcia Regina Alves Pereira. A primeira exibição será no próximo sábado, às 19h30min, em Terenos, no Assentamento Nova Querência, no espaço da Escola Isabel Rodrigues. A segunda, no domingo, em Ribas do Rio Pardo, às 19h, na Praça de Eventos Ciro Abes, na Avenida Nelson Lírio. Em Campo Grande, será na terça-feira, às 19h, na Praça do Rádio Clube, sempre com entrada franca.
“Enterro”, com roteiro, produção e direção da ex-professora e ex-esteticista Hilda Maria dos Santos, resgata uma lenda da época da Guerra da Paraguai em que as pessoas enterram suas economias e, ao morrerem, escolhem alguém para quem enviam sinais de onde está o tesouro. “O roteiro é baseado na minha história de vida, uma mulher casada com um condutor de carreta de boi, que se ausentava de casa para trabalhar, deixando a família sozinha por muito tempo”, explica Hilda, moradora de Terenos.
A partir daí, e baseada num poema que ela escreveu para o marido ausente, revive o momento da visão de três tochas de fogo, que simbolizariam o tal “enterro”. As filmagens duraram dois meses e no elenco Hilda contou com familiares. “A exceção de um amigo, os demais são todos parentes – cunhada, cunhado, neto. Todos nós estreantes”.
Para Hilda, a experiência foi enriquecedora: “Sempre fiz muitos projetos na vida, tive muitos sonhos, mas nunca esperei participar de algo assim. Foi um desafio e tanto, mas que chegou para levantar minha autoestima e fazer com que minhas ideias fossem mais valorizadas”.

Carvoaria
A outra sessão contará com o representante de Ribas do Rio Pardo: “Saga de um carvoeiro”, de Lúcia Regina Alves Pereira, moradora da cidade e educadora social da ONG Essência da Mulher. Baseada em fatos reais ocorridos em diversas carvoarias clandestinas da região, ela dividiu o filme em duas partes. “A primeira é um documentário que mostra a realidade no cotidiano destas carvoarias. A segunda, uma ficção que conta a história de Gregório, migrante mineiro que vem para a cidade em busca da realização profissional, mas acaba sofrendo nestas carvoarias. Ao conhecer a ONG Essência da Mulher, aprende uma nova profissão e se torna um escultor de renome internacional, mostrando, por meio de sua arte, o cotidiano dos carvoeiros”, conta Lúcia.
Foram 3 meses de filmagens, com elenco local de 20 pessoas, todos amadores. Segundo a diretora, a expectativa da exibição de seu trabalho é grande. “Estou apaixonada, eu acho que ficou lindo, mas vamos ver a opinião das pessoas. Foi uma experiência maravilhosa, que me deu uma nova perspectiva de trabalho dentro daquilo que eu faço na ONG. Hoje, documentamos todos os nossos projetos, mudamos nossa forma de agir. E, claro, pretendo inscrever o filme em vários festivais”.
A realização é do Instituto Marlin Azul, com patrocínio da Petrobras e parceria estratégica da Secretaria de Audiovisual do Ministério da Cultura.

Correio B+

Saúde B+: A importância de manter os estofados limpos

Especialista destaca os benefícios de contar com profissionais e compartilha dicas para conservar estofados livres de alérgenos

18/05/2024 16h30

A importância de manter os estofados limpos

A importância de manter os estofados limpos Foto: Divulgação

Continue Lendo...

O acúmulo de poeira, pele morta (a cada minuto eliminamos mais de 30 mil membranas celulares, nossa pele velha vai sendo trocada por outra novinha.

Eliminamos mais de três quilos de pele por ano), pelos de animais e outros resíduos pode ser um terreno fértil para alérgenos perigosos, podendo desencadear problemas respiratórios e dermatológicos. Sendo assim, manter os estofados limpos vai muito além de uma questão estética, é uma questão de saúde.

Apesar de parecer ser mais eficiente e prático de lavar os estofados em casa, é importante entender que essa prática pode comprometer seriamente a estrutura e estofamento do móvel. José Roberto Campanelli, diretor da Mary Help, rede de franquias de intermediação de serviços domésticos, que traz em seu portifólio limpeza e higienização de estofados, ressalta as vantagens de contratar um profissional para realizar esse serviço essencial.

“Além de ser feito no conforto do seu lar, o profissional utiliza produtos e técnicas adequadas para cada tipo de estofado, é rápido e oferece qualidade e satisfação garantidas”, pontua.

Para conservar seu estofado limpo e livre de microrganismos causadores de alergias, Campanelli compartilha algumas dicas simples:

Aspire regularmente: Utilize o aspirador de pó para remover poeira e sujeira dos estofados pelo menos uma vez por semana. Isso ajuda a evitar o acúmulo de resíduos que podem desencadear alergias.

Evite apoiar alimentos e bebidas nos estofados: Além de evitar manchas, essa prática reduz a chance de migração de alimentos e microrganismos para o tecido.

Cuide do seu pet: Escove e banhe seus animais de estimação regularmente para reduzir a quantidade de pelos soltos nos estofados.

Ventile os ambientes: Deixe os estofados expostos ao ar fresco e à luz solar sempre que possível para ajudar a eliminar odores e manter a higienização.

Seguindo essas dicas simples e contando com a ajuda de profissionais especializados, é possível manter os estofados limpos e livres de alérgenos, garantindo um ambiente mais saudável para toda a família.

Correio B+

Cinema B+: Franklin e Manhunt: aula de história na versão de Hollywood

Série estrelada por Michael Douglas estuda período menos comentado na vida do inventor e político americano

18/05/2024 14h00

Série estrelada por Michael Douglas estuda período menos comentado na vida do inventor e político americano

Série estrelada por Michael Douglas estuda período menos comentado na vida do inventor e político americano Foto: Divulgação

Continue Lendo...

A plataforma da Apple TV Plus tem fortes doses de sci-fi e em 2024 vem incluindo conteúdos de época, transformando períodos importantes da História americana em thrillers, uma novidade que pode ser percebida em Manhunt e Franklin, as duas séries que estão se destacam no acervo, mas com resultado morno.

Em tempos tão turbulentos no mundo, olhar para trás com base no que se sabe hoje é uma opção obvia da programação da plataforma. Com produções caras, que reconstituem épocas importantes, a Apple TV Plus traz um estudo curioso da origem de muitos conflitos. Por que não fez mais sucesso?

Manhunt transforma a Guerra Civil em thriller

A ordem de lançamento não foi cronológica. Manhunt retrata o fim da guerra civil americana, quando acabou a escravidão e o país se dividiu. Uma adaptação do livro de James L. Swanson, a trama se concentra nos 12 dias nos quais o assassino de Abraham Lincoln ficou foragido e a caçada por sua prisão agitou os bastidores políticos abalados sem seu líder.

Para não americanos e esquecidos de História, o assassino do presidente americano foi um ator, que na época era conhecido, John Wilkes Booth que, com apoio de outros Conspiradores, se recusou a acertar o fim do conflito e a derrota do Sul.

Quem liderou sua prisão foi o Secretário de Guerra e amigo de Lincoln, Edwin Stanton (Tobias Menzies), cujas investigações comprovaram que Booth puxou o gatilho, mas que o atentado foi orquestrado por “Wall Street”, melhor dizendo, os ricos fazendeiros que enriqueciam tanto com a especulação como com a escravidão.

Transformar a busca de duas semanas em thriller é uma opção interessante, ainda mais porque sugere que nada mudou. Aliás, esse é o objetivo subliminar da série: estudar a intolerância e a manipulação econômica atrás de todos conflitos políticos.

Tobias Menzies como Edwin Stanton, e Harry Crosby, como Booth, têm ótimas atuações, mas não engajam um público maior no exterior.

                    Franklin e Manhunt: aula de história na versão de Hollywood - Divulgação

Franklin promete render elogios à Michael Douglas

Ter Michael Douglas como Benjamin Franklin não deixa de ser uma escolha curiosa, dado que ele está longe do tamanho físico do diplomata, inventor e jornalista americano, mas Franklin tem justamente pela presença dele no elenco, maior atratividade mundial.

Também uma adaptação de um livro vencedor do Pullitzer, Uma Grande Improvisação: Franklin, França e o Nascimento da América, escrito por Stacy Schiff, a série estreou na metade de abril de 2024, liberando os três primeiros episódios e a trama é sobre a viagem de Franklin à França, para ganhar apoio financeiro e político para a Independência Americana

Assim como Manhunt, Franklin trabalha contra o fato de que sabemos o resultado transformando nos anos nos quais o protagonista ficou em Paris em um drama com pitadas de suspense. Não há grandes explicações de quem é quem, você precisa de google ou ter sido um grande aluno de História, mas, como Douglas esbanja carisma, nos envolve mais rapidamente.

A crítica não enalteceu profusamente a produção, embora tenha grande qualidade de produção e fotografia, mas gosta da originalidade da história, afinal há poucas referências no cinema ou na TV (há peças e musicais no teatro) que lembrasse dos quatro anos nos quais a política internacional decidiu o destino dos Estados Unidos.

Mais uma vez comparando, se Manhunt explora a fragilidade e instabilidade política da secessão, Franklin relembra que meses depois da assinatura da Declaração de Independência ainda havia muito risco que a democracia não passasse de fogo de palha.

Faltava dinheiro, armamento e homens para resistir às forças britânicas, e Franklin (Michael Douglas) tem a missão de reverter o quadro. São aspectos pouco conhecidos e menos explorados da Revolução Americana ou mesmo da vida de Franklin, por isso mesmo interessante.

Uma das queixas que até têm ponto, para ambas as séries, é o ritmo, dando muitos detalhes à subtramas que esticam a ação e não sustentam muita curiosidade. No caso de Franklin, ainda é cedo para afirmar isso. Nos três primeiros episódios a narrativa é envolvente o suficiente e faltam ainda cinco para confirmar sua qualidade. No mínimo, nos deixa mais cultos.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).