Clique aqui e veja as últimas notícias!

BOM E RUIM PARA A SAÚDE

Apesar de ser essencial para o corpo, colesterol deve ser controlado para evitar problemas cardiovasculares

A prática regular de exercícios físicos, assim como a alimentação saudável, evitam o aparecimento do colesterol ruim em níveis altos no organismo
13/10/2020 10:30 - Naiane Mesquita


Bom ou ruim, o monitoramento do colesterol é indispensável para a saúde de um indivíduo, justamente porque as alterações nas taxas podem indicar problemas graves e o risco – dependendo do tipo – de um acidente vascular cerebral ou mesmo um infarto.  

De acordo com a endocrinologista e especialista em metabologia Renata Antonialli, os tipos de colesterol têm funções diferentes no organismo. 

O colesterol LDL, sigla em inglês para low density lipoprotein, ou lipoproteína de baixa densidade em português, transporta o colesterol do fígado e do intestino para as células dos tecidos do corpo humano. 

“O LDL é conhecido por colesterol ruim porque quando seus níveis estão elevados no sangue ele provoca um acúmulo de colesterol nas paredes das artérias, formando placas de gordura nos vasos sanguíneos. Isso pode dificultar o fluxo de sangue, levando ao entupimento ou formação de trombos e, consequentemente, aumentando o risco de problemas cardiovasculares”, explica.  

O outro colesterol é o HDL, que em inglês significa high density lipoprotein, ou lipoproteína de alta densidade. Ele remove o excesso de colesterol dos tecidos corporais, levando-o de volta ao fígado, onde será metabolizado e eliminado do corpo. “Por ter essa função inversa do LDL, funcionando como uma espécie de faxineiro, é conhecido por colesterol bom”, frisa.  

Colesterol ruim

O colesterol LDL é um dos principais vilões da saúde das artérias. 

“Quando há um aumento desse colesterol na circulação, sem aproveitamento pelas células, esse excesso leva a um entupimento das artérias por acúmulo de gordura em suas paredes internas, conhecido por aterosclerose, aumentando o risco de problemas como infarto e AVC”, explica Renata.