Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BOM E RUIM PARA A SAÚDE

Apesar de ser essencial para o corpo, colesterol deve ser controlado para evitar problemas cardiovasculares

A prática regular de exercícios físicos, assim como a alimentação saudável, evitam o aparecimento do colesterol ruim em níveis altos no organismo
13/10/2020 10:30 - Naiane Mesquita


Bom ou ruim, o monitoramento do colesterol é indispensável para a saúde de um indivíduo, justamente porque as alterações nas taxas podem indicar problemas graves e o risco – dependendo do tipo – de um acidente vascular cerebral ou mesmo um infarto.  

De acordo com a endocrinologista e especialista em metabologia Renata Antonialli, os tipos de colesterol têm funções diferentes no organismo. 

O colesterol LDL, sigla em inglês para low density lipoprotein, ou lipoproteína de baixa densidade em português, transporta o colesterol do fígado e do intestino para as células dos tecidos do corpo humano. 

“O LDL é conhecido por colesterol ruim porque quando seus níveis estão elevados no sangue ele provoca um acúmulo de colesterol nas paredes das artérias, formando placas de gordura nos vasos sanguíneos. Isso pode dificultar o fluxo de sangue, levando ao entupimento ou formação de trombos e, consequentemente, aumentando o risco de problemas cardiovasculares”, explica.  

O outro colesterol é o HDL, que em inglês significa high density lipoprotein, ou lipoproteína de alta densidade. Ele remove o excesso de colesterol dos tecidos corporais, levando-o de volta ao fígado, onde será metabolizado e eliminado do corpo. “Por ter essa função inversa do LDL, funcionando como uma espécie de faxineiro, é conhecido por colesterol bom”, frisa.  

Colesterol ruim

O colesterol LDL é um dos principais vilões da saúde das artérias. 

“Quando há um aumento desse colesterol na circulação, sem aproveitamento pelas células, esse excesso leva a um entupimento das artérias por acúmulo de gordura em suas paredes internas, conhecido por aterosclerose, aumentando o risco de problemas como infarto e AVC”, explica Renata.

 
 

Quase sem sintomas quando alterado, a melhor forma de descobrir se o LDL está em excesso é por meio de um exame de sangue. 

“A maioria das pessoas não apresentará sinal ou sintoma algum de que o colesterol está alterado. Por esse motivo, a melhor forma de saber como estão os níveis de colesterol é realizando a coleta de exame de sangue. O exame do perfil lipídico deve ser realizado na infância e na vida adulta. A frequência da realização e os níveis ideais variam para cada pessoa e deverão ser indicados pelo médico”, esclarece.  

Além do infarto, as alterações no colesterol podem causar outras doenças além de AVC e infarto. 

“Há casos em que esse bloqueio das artérias pelas placas de gorduras pode ocorrer em locais como pernas e pés, conhecido por doença arterial periférica”, cita.

Mas nem por isso o colesterol é de todo ruim. 

“É importante lembrar que o excesso do colesterol é extremamente prejudicial à saúde. Porém, em níveis adequados o colesterol é fundamental para o bom funcionamento do nosso corpo, sendo um componente estrutural das membranas celulares, além de ser utilizado na produção de hormônios esteroides, bile e até de vitamina D”, reforça.

Hipercolesterolemia

A principal causa do aumento do colesterol está relacionada à alimentação, apesar de existir a influência genética. 

“Há pessoas que terão alteração por doença genética, como também pessoas que terão alteração de colesterol não só por uma alimentação rica em gorduras e açúcares, como também por outras alterações no estilo de vida, como sedentarismo, tabagismo, excesso de álcool, além de doenças como obesidade, alterações de tireoide, diabetes, insuficiência renal e até por uso de anabolizantes”, indica.  

Entre as causas genéticas está a hipercolesterolemia familiar. 

“É uma doença genética que se caracteriza por níveis muito elevados do colesterol no sangue. Nesses casos, apenas a mudança de estilo de vida, como uma alimentação saudável, prática de exercícios físicos, parar de fumar e de beber em excesso, não é suficiente para baixar os níveis de colesterol”, pontua a médica endocrinologista. 

“Dessa forma, o tratamento precisa também ser feito com medicação continuamente, por se tratar de uma doença crônica”, complementa. 

 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...