Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COMPORTAMENTO

Com restrições, casais optam por casamentos com poucos ou nenhum convidado

Por conta da Covid-19, cerimônias intimistas tem sido preferência
06/05/2020 07:00 - Naiane Mesquita


 

Enquanto a maioria dos casais que estavam com casamentos marcadas de abril a julho de 2020 decidiram remarcar seus eventos para os meses seguintes, outros vão na contramão e optam por cerimônias intimistas que possam garantir o “sim” ao menos no civil.

No último sábado, 2 de maio, Raquel e Reidner optaram por não remarcar o casamento civil e transferir as festividades para um restaurante de Campo Grande. Juntos há três anos, o casal estava com a mudança agendada para Aparecida do Taboado e realizaram a cerimônia, encerrando um ciclo de histórias em Campo Grande. “Eu acredito que a emoção foi a mesma que eu sentiria se tivesse ocorrido a festa. Foi tudo muito especial, intimista e perfeito”, derrete-se a noiva, Raquel de Faria Godoi, 23 anos.

Ao todo, o casal reuniu no restaurante nove pessoas, todos membros da família. “São onze pessoas contando com nós dois. O restante dos convidados foram nossos pais e irmãos. A celebração foi feita pelo juiz de paz, que nós já tínhamos pagado pelo deslocamento, que no caso ocorreria na festa”, explica.

Apesar da cerimônia intimista no restaurante, Raquel e Reidner não desistiram da festa, que já está paga. “Nós adiamos a festa maior e ainda não conseguimos escolher uma data, estamos muito inseguros por conta da pandemia”, esclarece.

Devido as restrições para controlar o avanço do novo coronavírus em Campo Grande, as festas de casamento e aniversários com muitos convidados foram cancelados. A orientação da Organização Mundial da Saúde é do isolamento total, em que apenas membros da mesma família que moram juntos se encontrem. Mesmo assim, na Capital, restaurantes foram autorizados a abrir contando que adotassem medidas de segurança, como disponibilizar álcool em gel, manter mesas afastadas, o uso de máscara pelos funcionários do estabelecimento, entre outras recomendações.  

“Poucos restaurantes estão autorizados a abrir nesse formato. Conseguimos um que está funcionando de acordo com a apresentação do plano de biossegurança e decidimos realizar nesse local. Os meus familiares usaram máscara para chegar até o restaurante e só retiramos para as fotos. Também estávamos separados dos outros clientes do restaurante, em um espaço reservado e toda a equipe, como fotógrafos, cerimonial, usou a máscara”, esclarece Raquel.

O vestido de noiva também não era o oficial para o grande dia. “Esse eu escolhi para o ensaio pré-casamento, que também não aconteceu por conta do coronavírus”, pontua.  

 
 

Renovação

O casal Rafael Paludo de Marco e Cassiana Burin de Marco também tiveram uma cerimônia diferente no dia 24 de abril. Juntos há oito anos, o casal foi convidado para uma equipe para realizar uma sessão de fotos de divulgação para casamentos no estilo Elopement Wedding, em que apenas os noivos, celebrante e equipe estão presentes.  

O que era para ser apenas uma sessão de fotos se tornou a renovação do casal, que pediu autorização para ler novos votos durante a cerimônia. “Na verdade, nosso plano era fazer uma celebração de renovação daqui há 2 anos, quando iriamos completar 10 anos de casados. Recebemos o convite de um dos profissionais para fazer um ensaio fotográfico de uma celebração apenas entre o casal e o que começou como uma divulgação virou nossa renovação de votos de verdade”, explica Rafael.

A cerimônia aconteceu em uma chácara, apenas com os noivos, os músicos, celebrantes e equipe de filmagem. A escolha por um ambiente natural é de acordo com a personalidade dos noivos, que adoram praticar trilhas ao ar livre. “Fico feliz de em um momento tão difícil ter tido essa oportunidade. Ficamos bem emocionados com a renovação e com o sentimento de dar valor as coisas boas que a gente tem na vida, cuidar mais de quem a gente ama. A celebração só nossa também tem um sentido diferente do que foi há oito anos. Naquela época tínhamos as preocupações que um casamento traz e dessa vez a gente pode aproveitar um ao outro. Foi tudo bem reservado até em função do que momento que todos vivemos”, frisa.

Para Rafael, a renovação teve outro sentido. “Esperança de que tudo isso vai passar logo”, acredita

 
 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...