Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COLUNA SERIAIS

Destaques das séries e conteúdo "on demand"

Confira a programação de 7 a 13 de junho
07/06/2020 11:19 - Geraldo Bessa/TV Press


A vida alheia

(Paramount+, dom, dia 7)

"Flack" é a novidade no catálogo da Paramount+. A série retrata o dia a dia de Robyn (Anna Paquin), uma profissional de relações públicas que impulsiona, faz publicidade e protege seus inúmeros clientes famosos. Seu trabalho é consertar a vida de outras pessoas, apesar de ser incapaz de corrigir a sua própria. No primeiro episódio, eu sua primeira aparição, Robyn está aplicando a técnica de CPR em um cliente importante após ele ter abusado das drogas em uma noitada bem animada. Patrick, recém-contratado de um time de futebol da Premier League, leva uma vida dupla por esconder que é gay e Robyn precisa resguardar essa história a todo custo. Ele é um dos seus muitos clientes famosos que guardam segredos. Segredos esses que devem ser mantidos fora do alcance do público pela agência de relações públicas. Com duas temporadas já produzidas, a série é uma parceria entre o canal americano PopTV e a rede britânica UKTV.

Moral em questão

(Globoplay, ter, dia 9)

Disposta a reforçar seu catálogo de séries policiais, a Globoplay disponibiliza as três temporadas de "Shades of Blue". Neste drama policial, Harlee Santos (Jennifer Lopez) é uma detetive de Nova Iorque e mãe solteira que se junta a uma unidade de policiais corruptos liderado pelo enigmático tenente Matt Wozniak (Ray Liotta). Com problemas financeiros, ela aceita dinheiro sujo para proporcionar a melhor vida para sua talentosa filha adolescente, Cristina (Sarah Jeffery). Porém, quando Harlee é presa pelo grupo anticorrupção do FBI, ela deve decidir se protege seu antigo grupo imoral ou se redime.

Objeto amigável

(Netflix, qua, dia 10)

O longa nacional "Reflexões de um Liquidificador" chega à Netflix nesta semana. Na produção, um filosófico liquidificador nos conta de sua amizade com Elvira, uma dona de casa que passa por um momento agitado em sua vida. Seu marido, Onofre, desapareceu há alguns dias, e ela decide ir à polícia dar queixa do sumiço. Em meio a reflexões sobre a vida e as diferenças entre os objetos e os seres humanos, o liquidificador nos conta como tudo começou. O casal tinha uma lanchonete e a hélice do liquidificador quebrou. Onofre colocou então uma nova hélice, bem maior, e a partir daí o liquidificador ganhou vida e passou a observar o mundo. Mas a lanchonete teve que ser fechada, e o liquidificador foi para a casa do casal. Quando a situação financeira apertou, Onofre foi trabalhar como vigia numa fábrica e Elvira ficava em casa fazendo pequenos serviços, como empalhar animais - um ofício que havia aprendido com o pai. Um dia, Elvira ouve pela primeira vez uma estranha voz: seu liquidificador está querendo falar com ela. Dirigido por André Klotzel e ambientado em São Paulo, o filme conta com Ana Lúcia Torre, Selton Mello, Germano Mariutti, e Fabiula Nascimento no elenco.

Nas sombras

(Amazon, qui, dia 11)

Baseada em fatos reais, a segunda temporada de "The Terror" ocorre durante a Segunda Guerra Mundial e segue um nipo-americano que investiga ataques sobrenaturais na comunidade de japoneses americanos do acampamento Terminal Island, com sede em Los Angeles. Possivelmente, os ataques foram cometidos por um fantasma do folclore japonês conhecido como "bakemono". O segundo ano da antologia tem o título de Infamy e narra mortes bizarras que assombram a comunidade japonesa nos Estados Unidos. A trama acompanha um grupo de nipo-estadunidenses sendo mandados para campos de isolamento por conta da tensão causa com os norte-americanos após Pearl Harbor. Lá, eles são perturbados por forças sobrenaturais. A primeira temporada, transmitida em 2018, foi baseada na obra de Dan Simmons e ambientada em 1847, acompanhando uma expedição à Passagem do Noroeste que dá errado, onde a equipe encontra um monstro que vai os eliminando um por um.

Refúgio na mídia

(Netflix, sex, dia 12)

A Netflix continua sua investida no audiovisual brasileiro e em gêneros pouco produzidos no país. Quase quatro anos após a ficção científica "3%" iniciar a leva de produções nacionais no serviço, a empresa de streaming agora retorna com mais uma produção de gênero: o terror satírico "Reality Z". A série é baseada em "Dead Set", minissérie britânica de 2008 criada por Charlie Brooker, que também é responsável por "Black Mirror", um dos maiores sucessos da Netflix. No roteiro, A casa de um "reality" de confinamento, tipo "Big Brother", É o único refúgio em meio à um apocalipse zumbi. O que muda na adaptação nacional é que, diferente da inglesa, o programa aqui vai além dos muros da casa vigiada, e introduz outras tramas, como a que acompanha a relutante criadora do programa, e outro com um deputado covarde que abusa de seu poder para sobreviver. Quem comanda o projeto é Cláudio Torres, diretor conhecido por sucessos nacionais como "Redentor" e "O Homem do Futuro".

Humor de hoje

(Paramount+, sab, dia 13)

Fabiano Cambota, Nando Viana, Rafael Portugal, Rodrigo Marques e Thiago Ventura estão de volta na nova temporada do "A Culpa é do Cabral". Com cenário novo, que traz a plateia para dentro do palco, participação do povo direto das ruas e telefonemas do Cabral, os primeiros episódios do programa já estão disponíveis no serviço do Paramount+. Gravado antes da pandemia, o programa vai contar com 31 quadros inéditos e todo o calor de uma plateia repleta de fãs. A nova temporada tem 13 episódios inéditos, com duração de uma hora, e participações muito especiais de nomes como Tiago Abravanel, Cauê Moura, Thayse Teixeira, Afonso Padilha, Rossiclea, Junior Chicó, Sheila Mello, Diogo Portugal, Victor Ahmar, Sérgio Malandro, Fábio Rabin, Richard Rasmussen e Bruna Louise.

 
 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...