Clique aqui e veja as últimas notícias!

VIA STREAMING

Dica da Semana: “Ponyo: Uma Amizade que veio do Mar”

Animação japonesa da Netflix retrata com simplicidade o amor entre amigos
08/04/2020 14:59 - Kreitlon Pereira/Via Streaming


Nascido em meio à Segunda Guerra Mundial, Hayao Miyazaki cresceria para se tornar um dos mais importantes e renomados animadores do Japão. Animador, cineasta, roteirista, escritor, artista de mangá japonês e co-fundador dos Estúdios Ghibli, Miyazaki possui fãs espalhados pelo mundo todo, que reverenciam sua capacidade de criar filmes visualmente cativantes, totalmente desenhados a mão, e elaborar roteiros fantasiosos, porém complexos. Dentre suas obras mais famosas e premiadas, a mais recente é “Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar”, que se encontra disponível na Netflix.

A história se inicia quando Ponyo, um peixinho dourado fêmea curioso que vive dentro de um aquário construído pelo pai, Fujimoto, abre mão dessa segurança para explorar o mar. Com a poluição e a intensa pesca na região, Ponyo é quase capturada por um barco, mas acaba presa em um pote de vidro e arrastada até a beira da praia, onde é resgatada por Sosuke, um doce menino de cinco anos que vive na costa com a família. Ao ver o garoto se cortar com um vidro, Ponyo lambe seu machucado para curá-lo e, desse pequeno gesto, surge uma amizade quase que imediata entre as duas criaturas. Ao perceber a ausência da filha, Fujimoto arquiteta um plano para resgatá-la. Mas já é tarde demais: Ponyo se apaixona por Sosuke e embarca numa jornada pela humanidade para ficar junto do novo amigo. No entanto, o amor compartilhado pelos dois ameaça o próprio equilíbrio da natureza, à medida que eleva o nível dos mares e aproxima a Lua da Terra.

Mais do que uma história infantil, “Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar” é uma ode à amizade, ao carinho e ao respeito, capaz de agradar todos os gostos, até mesmo aqueles que não gostam de animações japonesas. Afinal, o filme revela uma refrescante ingenuidade que, apesar de fantasiosa, é capaz de amolecer o coração até dos mais céticos.