Correio B
CORREIO B

Espetáculo Quebra Nozes ganha versão pantaneira

Obra de Tchaikovski será encenada em Corumbá com protagonista de 13 anos e experiências sul-mato-grossenses, cubanas, paraguaias, bolivianas e argentinas

Rodolfo César

11/12/2021 10:30

Animais selvagens, pássaros com seus cantos por todos os lados e paisagens únicas e desafiadas pela intromissão do fogo. 

Todos esses ingredientes podem ser colocados em uma boa história. Depois disso, mais detalhes vão sendo introduzidos, como sapatilhas, saltos e toda uma equipe de balé. Ainda tem mais para render.

Com isso, instrumentos de sopro e alguns outros músicos vão “cantando” com as mãos o som do Pantanal, mas misturado com a obra-prima que o russo Piotr Ilitch Tchaikovski escreveu há mais de um século, inspirado no conto da literatura fantástica de E.T.A Hoffman.

“O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos” está pronto, adaptado para um cenário totalmente diferente do que se imagina tradicionalmente e enriquecido por uma releitura sul-mato-grossense, com toques e experiências de cubanos, paraguaios, bolivianos e argentinos.

A representação de um dos balés mais tradicionais do mundo, que ganha espaço com a chegada do fim do ano, está no centro da retomada de apresentações de grande porte do Instituto Moinho Cultural, que possui consolidadas a Orquestra de Câmara do Pantanal e a Cia de Dança do Pantanal.

Reescrever o balé do compositor russo surgiu como uma necessidade para adequar a história para um cenário mais próximo da realidade brasileira, e ainda mais particular quando se trata de Mato Grosso do Sul.