Correio B

pesquisa

A+ A-

Felicidade é maior quando mulher é mais magra que marido

Felicidade é maior quando mulher é mais magra que marido

da redação

22/07/2011 - 22h00
Continue lendo...

Mulheres que já eram complexadas com o peso, podem ficar mais um pouco se depender de um estudo norte-americano. Segundo ele, os casamentos são mais satisfatórios quando a parceira é mais magra do que a sua cara metade.

Uma das autoras que assina o estudo, Andrea Meltzer, estudante de pós-graduação em psicologia da Universidade de Tennessee (EUA), salienta que as mulheres não precisam estar necessariamente magras para ser feliz no casamento. Mas pelo menos elas devem ser mais magras que os maridos.

A pesquisa envolveu o acompanhamento de 169 recém-casados com idade abaixo dos 35 anos. Ao final de quatro anos, os homens estavam acima do peso, enquanto suas parceiras continuavam com peso normal.

A conclusão a que chegaram os cientistas mostrou também que, entre os homens (o lado mais preocupado com o peso e a atração física do outro) que engordaram mais do que suas parceiras, o sentimento de satisfação começava no início da união. Na mulher, esse processo se mostrou mais demorado e só surgiu com o tempo.

Meltzer comenta que as descobertas podem retirar parte da pressão feminina de se manterem magras, já que o peso do marido em relação a elas também influencia a felicidade do casal.

Ela lembra que as mulheres não precisam surtar com os resultados do estudo, que representam uma média geral e podem apresentar variações nos padrões.

Com informações da Folha

Diálogo

Confira a coluna Diálogo na íntegra, desta quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Por Ester Figueiredo ([email protected])

21/02/2024 00h05

Diálogo Foto: Arquivo / Correio do Estado

Continue Lendo...

Bertrand Russell - filósofo britânico

"Ninguém deveria se achar perfeito,
nem se preocupar demais
com o fato de não ser”.

FELPUDA

Adversários estão dizendo que em partido oponente a situação está hilária, para não dizer outra coisa.  Tem gente que vem se oferecendo para ser pré-candidato a prefeito, só faltando pendurar melancia no pescoço para ser notado pela cúpula. Outros foram convidados, mas saíram pela tangente, e tem quem foi lembrado, mas depende do que será tratado com aqueles que mandam na legenda e, assim, poderá “ser sem nunca ter sido”. Dizem que nesta semana o martelo poderá ser batido. Resta esperar para conferir.

Cancelado

Cinco irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em licitação de mais de R$ 1 milhão obrigaram empresa do Sistema S a cancelar contrato, baixar a bola e recolher os flaps. 

Mais

Um dos quesitos questionados no processo, pelo tribunal, foi a não comprovação da experiência do profissional jurídico e da falta de atuação em órgão semelhante.

A jovem terena Luana Salvador Rodrigues, 18 anos, foi aprovada em primeiro lugar para o curso de Direito na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ela, nascida e criada na Aldeia Mãe Terra, sempre estudou em escolas públicas e é recém-formada no Ensino Médio, etapa concluída na Escola Estadual Indígena Cacique Timóteo, na Aldeia Cachoeirinha, em Miranda. Luana não pôde fazer o Enem, pois não conseguiu os documentos pessoais necessários, mas decidiu prestar o vestibular na UFMS. Ela é a primeira 
da sua aldeia a entrar para um curso superior.

Estela ComparinMarcela Tranchesi 

Difícil

Em conversa interna de certo partido, o foco é a eleição em município do interior de MS, onde a disputa envolve o prefeito e uma pré-candidatura de nome que tem forte laço familiar com parlamentar. Na análise 
que tem sido feita nos bastidores, a maioria acha que, por mais que se diga, será muito difícil impedir a reeleição do atual gestor, que, por sinal, tem anos de estrada e sabe muito bem o caminho das pedras.

Estratégia 

Sob a forte influência do deputado estadual Pedro Caravina, o Podemos deverá lançar chapa para vereadores 
em coligação na majoritária com o candidato do PSDB à Prefeitura de Campo Grande. Dessa forma, o governador Eduardo Riedel vai levando a efeito sua estratégia de se fortalecer para 2026, agregando partidos que lhe ajudarão nesse objetivo. Atualmente, Caravina é o mais forte articulador político do seu ex-chefe.

Sem otimismo

Com duas guerras em andamento no mundo (Rússia x Ucrânia e Israel x Palestina), desempenho fraco das grandes economias globais e juros elevados, os pesquisadores e analistas do Centro de Inteligência do Leite da Embrapa (Cileiite) não esboçam muito otimismo com a cadeia láctea em 2024. O analista José Luiz Bellin acredita que este será um ano desafiador para produtores e laticínios.

Aniversariantes

André Figueiredo Dobashi, 
Maurício Gianotti Franco, 
Jane Luce Molinar de Castro,
Juvenal de Assunção Neto,
Sérgio Francisco Longo Filho, 
Claurizeth Santos da Silva,
Denise Tamazato,
Dra. Maria Aparecida Devulsky Shimabukuro,
Murilo Lopes da Silva,
Silvio Roberto Padovani,
Wladimir Antunes Callepso,
Cleide Mestriner Marques da Costa,
Jeferson Narciso Belazi,
Lino Brito Loureiro,
Gutemberg Candido Novaes,
Renata Chaves Gutterres Loinaz,
Maria Agostinha Deniz,
Florestina Alves Pereira,
Nanci Martins Monteiro Domingues,
Luis Francisco Leite Gomes,
Gilvan Alves de Almeida Silva,
Jorge Manoel Elias do Nascimento,
Vilma Barros, 
Adriana Fedrizzi Marques, 
Manfredo Alves Corrêa, 
Rodrigo Camargo, 
Fernanda Serrano, 
Elcy de Castro Rondon,
Evandro Ziemann,
Maylla dos Reis Zanatta,
Wagner Mansur Saad,
Maria Alayr Barbosa Lins, 
Thaís Maria Monteiro Vendas,
Priscila Braga Meneguzzo,
Kátia Castelari da Silva,
Edgard Augusto Nunes, 
Willian Chebel Duailibi, 
Denise Corrêa da Costa Machado Bezerra,
Oscar Tamai, 
Milton Márcio Lacerda, 
Iara Navas, 
Valnete (Val) da Silva Costa, 
Jorge Luis da Rosa Salomão,
Dolores de Barros Cantero, 
Lyandra Fogolin Domingos, 
Maria Inês Miyahira, 
Maria de Fátima Vilela, 
Rogers Pinheiro Teodoro, 
Maria José Ottoni, 
Dr. Aloísio Freitas Macedo, 
Alzira de Almeida Silva,
Luis Gustavo Pinheiro Sleiman,
Dr. Moacir Alves Chianea, 
Silvia Nunes da Cunha, 
Luiz Carlos da Costa Abaid, 
Pablo de Barros Campos Marques, 
Nelson Salomão Saigali,
Abílio Neves, 
Antonio Geraldo Castelo,
William Tomikawa,
Olívio Teixeira Gomes,
José Maria Ribeiro,
Geisa Lúcia da Silva,
Adão Ferreira Gonçalves,
Milta Ruth de Barros Costa,
Sheila Cafure Bolssonaro,
Jamil Name Filho, 
Rafaela Domingos Siufi, 
Marlon Kumpel,
Andrea Carine Lobo Ghisleni, Zenaide Bueno dos Santos,
Eleonor Xavier Ogeda,
Elizabeth Benigna de Araújo,
Cláudia Torres Calonga, 
Marcus Vinicius Corrêa, 
Cassilda Castelari da Silva,
Rodrigo Mello,
Saul Duarte de Matos,
Lourdes Zacarias de Jesus,
Renan Maffei,
João Luiz Rodrigues Lopes da Silva,
Adriana dos Santos Ormond, 
Andréia Michelly Neves, 
Luciana Honorato de Souza,
Juliana de Souza Alves,
Umberto Carlos Caetano, 
Rita de Cássia Fuentes Luz Suenaga,
Maria Rita Lara Pereira Pinto, 
Rudenir de Andrade Nogueira, 
Moacir Salvador Rezende,
Ludmila Vigilato Maluf, 
Alexandre Augusto Forcinitti Valera,
Marilene Insaurralde,
Edleimar Correia de Oliveira,
Martinho Lutero Mendes,
Jonas Trevisan,
Fabiana Silva dos Santos, 
Sandy Sheila Pereira de Deus,
Márcio César de Almeida Dutra,
Alindor Prado de Oliveira,
Clemente Alves da Silva, 
Laureano José Pereira,
Ermeson da Silva Nunes,
Samuel Sebastião Magalhães, 
Adriana Lopes Moreira da Silva, Glauce Eléia Rosa da Silva,
Alcemir da Silva Moraes,
Elizabet Marques,
Inácio da Silva, 
Vitor Hugo Nunes Rocha.

Colaborou Tatyane Gameiro

 

prata da casa

Patente obtida a partir do óleo essencial da guavira abre caminho para a produção de perfumes

Patente obtida a partir do óleo essencial da guavira abre caminho para a produção de perfumes, sabonetes e outros cosméticos; além do agradável aroma, fruto símbolo de MS tem substâncias clareadoras e propriedades antioxidantes e emolientes

20/02/2024 10h00

Continue Lendo...

Além do inigualável sabor que apresenta in natura, ela comparece, com louvor, em um extenso cardápio que envolve saladas, sopas, linguiças, peixes como o pintado, hambúrguer, bolos, chipa, brownie, geleia, cupcake, mousse, petit gateau e sorvete, cerveja, cachaça e outras bebidas. E ainda marca presença como musa inspiradora em canções, poemas, crônicas e filmes.

Mas, então, o que falta para a guavira estar ainda mais presente na vida dos sul-mato-grossenses e dos brasileiros? A resposta, desta vez, não vem da culinária ou das artes, mas da pesquisa científica, com direito àquele cheirinho bom de shampoo, creme ou sabonete que vai cuidar melhor de seus cabelos e de sua pele. 

Sim, de aroma único, a fruta símbolo de Mato Grosso do Sul poderá ganhar nova vida em perfumes e outros itens da indústria de cosméticos.

Um estudo coordenado pela bioquímica Nídia Cristiane Yoshida, no Laboratório de Pesquisa de Produtos Naturais Bioativos (PronaBio) do Instituto de Química da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), conseguiu o depósito da primeira patente da aplicação do óleo essencial de guavira (Campomanesia adamantium) em combinação com o hidrolato do mesmo fruto, em composições cosméticas, junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi).

A pesquisa com a guavira, que tem o apoio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect), começou como parte de um estudo mais abrangente que busca novas fragrâncias e bioativos nos frutos do Pantanal e do Cerrado. 

Além da guavira, foram selecionados acuri, envira preta e bocaiuva para obtenção de óleos essenciais, óleos fixos e extratos que passam por análises de composição química e avaliação de propriedades biológicas. 

EMOLIENTE E CLAREADORA

Um diferencial do trabalho foi tentar aproveitar resíduos que são subutilizados ou descartados pela indústria de alimentos, como cascas e sementes. 

Segundo Nídia Cristiane Yoshida, os resíduos da guavira se sobressaíram porque, além do aroma agradável, o óleo essencial e o extrato obtidos desse material vêm se mostrando ricos também em propriedades antioxidantes, emolientes e em substâncias clareadoras, o que chamou atenção para seu uso em cosméticos.

Foram dois anos de pesquisa para obter um produto viável, com resultados concretos. De cada quilo de cascas e sementes, os pesquisadores conseguiram extrair cerca de 5 mililitros de óleo essencial, que está sendo testado em sabonetes, perfumes, aromatizadores, cremes e produtos capilares. 

A equipe também estuda uma forma de utilizar o hidrolato, um subproduto do processo de hidrodestilação, feito com vapor d’água no momento da extração.

Mestre (UFMS) e doutora (USP) em Química, Nídia Cristiane Yoshida ressalta que a patente é uma grande conquista, porque pesquisas científicas envolvem muitos recursos e demandam tempo para a caracterização, os testes e o aprimoramento dos materiais, até que se chegue a um produto final.

“O patenteamento foi uma etapa fundamental por nos permitir registrar todo o processo de produção dos fitocosméticos, além de proteger a invenção, de modo que a comunidade científica envolvida no estudo possa participar das decisões acerca do processo produtivo, caso esses resultados se tornem produtos de prateleira para o consumidor”, reforça a pesquisadora. 

Segundo o diretor-científico da Fundect, Nalvo Franco de Almeida Júnior, o projeto incorpora princípios sustentáveis à bioeconomia da nossa região.

“Estabelece um modelo econômico mais justo e robusto, capaz de suprir as demandas atuais sem prejudicar as futuras gerações, o que é essencial para promover o desenvolvimento econômico sustentável. E o depósito de patente não apenas protege os interesses do pesquisador ou da instituição, mas também estimula a inovação, atrai investidores e facilita a transferência de tecnologia”, destaca Almeida Júnior.

REFORÇO

A equipe ganhou um reforço importante da química Érica Luiz dos Santos, também doutora na área pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em química de produtos naturais, atuando principalmente nos temas fitoquímica e biossíntese de metabólitos secundários, a pesquisadora somou ao projeto sua experiência na indústria de matéria-prima para cosméticos e ajudou a acelerar o processo de pesquisa. 

Há anos estudando compostos bioativos de plantas, Érica Luiz dos Santos destaca a necessidade de conservação do Cerrado.

“O conhecimento dos seus recursos naturais facilitará o processo de valorização e não extinção do bioma. Pesquisas como a nossa podem fornecer ferramentas para o desenvolvimento sustentável da região, por meio da valorização dos frutos nativos e da geração de renda para as populações locais”, reforça a pesquisadora.

Participam também da pesquisa os alunos de iniciação científica Andrielly Cristina Santana, acadêmica de Engenharia Química, Juliana Mendes Franco Siqueira, acadêmica de Farmácia, e Francisco Bitencourt Ottoni, acadêmico de Ciências Biológicas. Os três são estudantes da UFMS e bolsistas da Fundect.

O projeto tem ainda parcerias com envolvidos no cultivo e na comercialização da guavira, como a prof.ª Raquel Pires Campos (UFMS), especialista em cadeias produtivas, a Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), e a marca Cerrado em Pé, que fornece frutos e resíduos de guavira.

NA ROTA

Por incentivar a preservação da biodiversidade com inovação e tecnologia, o estudo foi inserido na Rota Rupestre, um programa da UFMS, também fomentado pela Fundect, que visa o fortalecimento cultural, turístico e econômico entre os municípios sul-mato-grossenses do corredor ecológico Cerrado-Pantanal.

A primeira experiência no projeto foi uma oficina de sabonetes com mulheres de Alcinópolis, município onde estão localizados importantes sítios arqueológicos de Mato Grosso do Sul.

O destaque foi o uso de fósseis encontrados na região para dar formas inusitadas aos produtos.
Nídia Cristiane Yoshida diz que a participação no projeto vai possibilitar o estudo de diversas plantas nativas da região em busca de novos bioativos.

“A extração racional dos frutos não implica na perda do indivíduo, e o uso de plantas nativas também promove a valorização econômica e cultural de produtos gerados a partir da biodiversidade”, ressalta.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).