Correio B

MÚSICA

Filha de Nat King Cole, cantora Natalie Cole morre aos 65 anos

Cantora teve complicações em decorrência de transplante de rim

FOLHAPRESS

01/01/2016 - 15h34
Continue lendo...

Natalie Cole, cantora americana que seguiu os passos do pai, o astro do jazz Nat King Cole (1919-1965), morreu aos 65 anos, informou nesta sexta-feira (1º) o jornal "Daily News".

Ela estava internada em um hospital de Los Angeles e teve insuficiência cardíaca congestiva por conta de complicações em um rim transplantado, segundo o site "TMZ".

Com um repertório marcado pelo jazz, soul e R&B, Natalie é conhecida pelos sucessos This Will Be" e "Unforgettable". O último ficou famoso principalmente por ter sido gravada em dueto "virtual" com King Cole em 1991 -a voz do cantor foi remasterizada e mixada à música, em uma das primeiras experiências do tipo.

A cantora ganhou nove prêmios Grammy, incluindo os de álbum do ano em 1991 por "Unforgettable With Love" e de melhor cantora de jazz pelo disco "Take A Look", de 1993.

Segundo o "TMZ", ela ficou doente recentemente e cancelou várias datas de sua turnê no fim de dezembro, incluindo um show na virada do ano no Disney Hall, em Los Angeles.

Em 2008, Natalie foi diagnosticada com hepatite C e, em entrevista ao apresentador Larry King, atribuiu a doença ao vício em cocaína e heroína. Na época, ela disse que estava há muito tempo sem usar drogas, desde que se internou em uma clínica de reabilitação.

No ano seguinte, por conta da hepatite, a cantora recebeu um rim de um doador anônimo.

Correio B+

Beleza B+: Queda de cabelo: quais são as principais causas e como evitá-la?

É importante buscar um diagnóstico profissional para identificar qual o foco do problema.

22/06/2024 15h30

Queda de cabelo: quais são as principais causas e como evitá-la?

Queda de cabelo: quais são as principais causas e como evitá-la? Foto: Divulgação

Continue Lendo...

A queda de cabelo é um processo natural de todos os seres humanos. Normalmente, uma pessoa adulta perde cerca de 80 fios por dia, dos 150 mil que existem no couro cabeludo.

Os cabelos podem cair por fatores genéticos, hormonais, estresse, procedimentos químicos, entre outros. Mas o processo só deve ser considerado preocupante quando a quantidade média é ultrapassada. É importante buscar um diagnóstico profissional para identificar qual o foco do problema.

"Em meio a esse contexto, o cronograma capilar é uma das alternativas mais poderosas para recuperar a saúde dos fios. Trata-se de uma rotina de cuidados que consiste em dividir os tratamentos em três etapas principais: hidratação, nutrição e reconstrução. Cada fase oferece benefícios específicos, como reposição de umidade, fornecimento de nutrientes essenciais e reparação de danos na estrutura capilar", explica Matheus Laz, educador técnico da Prohall Professional, marca de produtos capilares voltados para cuidado pessoal e estética.

Alimentação e ingestão de vitaminas

A má alimentação também é um fator que favorece a queda excessiva. Baixos níveis de ferro, zinco e vitaminas do complexo B e C são capazes de propiciar o enfraquecimento de todos os tecidos presentes no organismo, incluindo dos cabelos. Para reverter a situação, basta manter uma dieta equilibrada e altamente nutritiva, evitando ao máximo alimentos pesados, como doces e frituras, e incluir vitaminas na dieta.

"A B7, por exemplo, também conhecida como biotina, desempenha papel crucial na saúde capilar, pois está diretamente envolvida na produção de queratina, uma proteína essencial para a força e sustentação dos fios. Ao garantir a produção adequada da substância, a biotina proporciona um ambiente favorável para o crescimento e a ancoragem dos fios. Pode ser encontrada em gemas de ovos, nozes, amêndoas, sementes, abacate e couve-flor", explica e completa:

"Protegendo as células contra o estresse oxidativo, a vitamina A evita o envelhecimento precoce dos folículos capilares. Além disso, regula a produção de sebo, mantendo o couro cabeludo hidratado e propício ao crescimento saudável. Essa substância pode ser achada em alimentos da cor verde escuro, como couve e espinafre, e itens de origem animal, como fígado e ovos".

Rica em propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, a vitamina E contribui para a melhoria da circulação sanguínea, fornecendo nutrientes essenciais aos folículos capilares e promovendo um ambiente ideal para o crescimento saudável dos cabelos. Além disso, ela combate o estresse oxidativo, protegendo contra danos que podem levar à queda de cabelo. "Fontes alimentares de vitamina E incluem nozes, sementes de girassol, amêndoas, óleo de gérmen de trigo, carnes, ovos e vegetais de folhas verdes", finaliza.

 

Correio B+

Cinema B+: Bob Marley: One Love Retrato (Superficial) de um Ícone da Música

Kingsley Ben-Adir está ótimo no papel principal, mas, se você não conhece a história do cantor jamaicano, vai ficar confuso

22/06/2024 13h00

Bob Marley: One Love  Retrato (Superficial) de um Ícone da Música

Bob Marley: One Love Retrato (Superficial) de um Ícone da Música Foto: Divulgação

Continue Lendo...

Ainda em 2023, quando anunciaram que (finalmente) fariam um filme sobre Bob Marley, focando nos últimos anos de sua vida e os bastidores do clássico álbum Exodus, celebrei. Afinal, Marley foi o mais conhecido músico e reggae de todos os tempos, vendendo mais de 75 milhões de discos, mas morreu de câncer, aos 42 anos, em 1981, meio que de repente para nós.

Em vida, sofreu atentados, com o racismo e ainda assim sempre se opôs à violência. A história dele claramente era fascinante, no entanto, o filme Bob Marley: One Love parece ter perdido a oportunidade de trazer dimensão ou sequer fazer a conexão com novos fãs sobre a trajetória do músico. Por que então estou aqui falando desse filme com você? Porque é importante.

Há um risco enorme quando o diretor e roteirista da obra é fã da música e usa a trilha sonora como guia. Várias biografias de cantores passam por isso: é como as canções fossem o único fio condutor possível, e tentam incluir todos os sucessos para dar alguma perspectiva sobre a música mais do que o autor.

Junte-se a isso a tendência forte de chapa branca, com a família aprovando cada detalhe (ou não) e defeitos são omitidos ou apressados, tentando deixar o público envolvido com a música e ignorando a pessoa.

É preciso ter muita curiosidade para checar o que está nas telas, para ter senso crítico do que é gravado como fato e ainda apreciar a trilha sonora. Isso não é um problema exclusivo de Bob Marley: One Love, esteve em Bohemian Rhapsody e outras biografias não musicais. 

Como muitos gênios, Bob Marley era apenas um homem, cheio de traumas, frustrações e sim, falhas. O diretor Reinaldo Marcus Green, que já tinha feito King Richard (que rendeu o Oscar à Will Smith), pelo menos acertou na escolha do elenco, paradoxalmente, com um Kingsley Ben-Adir sensível e perfeito como Marley e Lashana Lynch também está ótima como Rita Marley. Não é o suficiente, mas me permite discutir aqui a obra.

Bob Marley: One Love foca nos dois anos no qual Marley viveu um exílio voluntário no Reino Unido, entre 1976 e 1978, uma vez que já era uma voz política na Jamaica e foi frustrado em tentar fazer um concerto de unidade para pôr fim à violência infligida por dois líderes políticos em conflito.

Ele sofre um atentado, descobre que tem câncer e volta ao seu país para finalmente uma apresentação lendária. Assim mesmo, superficial e rápido como descrevi.

No meio tempo, ele lida com o impacto de nunca ter conhecido seu pai, mantido um relacionamento abusivo e dependente com Rita, a traindo com inúmeras mulheres, mas esperando fidelidade e perdão incondicional da esposa.

Divulgação

Por exemplo, todo romance com a Miss Mundo de 1976, a modelo jaimaicana Cindy Breakspeare, para quem escreveu Waiting in Vain e que está em Exodus não passa de um frame no filme (literalmente) sem qualquer impacto como o que realmente aconteceu no casamento com Rita.

Numa ininterrupta sequência de uma hora e meia, a música de Marley nos interrompe mais do que nos envolve, e não temos noção da real perspectiva de seu talento artístico, nem mesmo dos conflitos políticos que o levaram ao exílio após sofrer um atentado.

Os flashbacks são usados de forma ainda mais confusa, e mesmo com Kingsley se esforçando para dar alguma dimensão a Bob Marley, é uma luta inglória para o ator. Por outro lado, não rever sua relevância é perder uma ótima oportunidade. Minha sugestão? OUÇA, Bob Marley a todo volume, e passe pelo filme atento para a superficialidade. Não há conjunção da força que ele foi como artista na tela, mas é importante conferir.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).