Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Jair e Elizete realizam sonho antigo, com horta no quintal de restaurante

Sem poder ir à academia durante a quarentena, casal encontrou uma distração que faz bem
11/05/2020 07:00 - Naiane Mesquita


 

Há 13 anos à frente de um restaurante, Elizete e Jair sempre sonharam em ter uma horta, daquelas com várias opções e muitos temperos, perfeita para tornar o aroma que sai do fogão todos os dias único.  

O desejo adiado tantas vezes encontrou sentido durante a pandemia do novo coronavírus. Com as atividades reduzidas no restaurante e as idas até a academia canceladas, por tempo indeterminado, o casal se empenhou e construiu o sonho verde, tijolo por tijolo. “Com a quarentena tivemos mais tempo, fazíamos academia todos os dias e passamos a ficar em casa. Resolvemos começar, construímos uma, depois outra e ficamos entusiasmados com o resultado”, conta Jair José Fracaro, 59 anos.  

A horta tem atualmente cheiro-verde, salsinha, cebolinha, alface roxa, almeirão, couve, rúcula, três tipos de pimenta e inúmeros temperos. “A ideia é usar para o nosso restaurante, que fica aqui no Bairro Tiradentes. Já estamos utilizando cheiro-verde, almeirão, rúcula. Todos os temperos vêm da horta e é muito gratificante, porque não tem nada de agrotóxico ou adubo químico”, explica.  

Jair garante que quem passa em frente à horta fica admirando. “Fizemos uma coisa bem bacana. Como já não somos jovenzinhos, elevamos a horta e ficou bonito de ver. Tem um salão de beleza aqui perto e sempre tem gente que para aqui para dar uma olhada”, diz, orgulhoso.

Depois de 28 anos de casados, os dois continuam firmes nas atividades em conjunto. “Antes da pandemia, era a academia de segunda a sexta, agora cuidamos da horta juntos. Construímos, molhamos todo dia e acabou sendo uma boa distração”, acredita.  

 
 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!