Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

CELEBRIDADE

Marcello Antony, atualmente vivendo em Portugal, fala da carreira e recepção calorosa dos fãs

No ar em “Malhação – Viva a Diferença”, o ator lembra bom retorno que recebeu do público adolescente e infantil
19/10/2020 14:36 - Márcio Maio/TV Press


O público infantil e adolescente costuma ser muito fiel e, ao mesmo tempo, passional com os artistas que trabalham em projetos focados neles. Mas Marcello Antony, que interpreta o ardiloso Edgar de “Malhação – Viva a Diferença”, da Globo, faz questão de deixar claro que não existem sustos na hora de lidar com o assédio dos fãs. Ao contrário. “Eles sabiam distinguir direito o ator do personagem. Vinham com brincadeiras óbvias, perguntando como suportar o Edgar, dizendo que ele irritava, mas nada além disso. Tudo muito carinhoso até”, defende o ator, que também pode ser visto na reprise de “Mulheres Apaixonadas”, no canal Viva, como o arquiteto Sérgio.  

Apesar de estar com dois personagens no ar, não chega a ser tão fácil assim para Antony rever suas cenas. Isso porque ele não está no Brasil, mas sim em Portugal, onde mora atualmente. E, mesmo se estivesse por aqui, talvez não chegasse a se programar para acompanhar os dois folhetins. “Não procuro rever meus trabalhos antigos”, entrega. Além disso, Marcello confessa ser extremamente autocrítico. “Tinha até um problema que, se a minha cena tivesse sido 99% boa, eu ia querer repetir por conta daquele 1% ruim. E, no meio da televisão, onde as gravações são rápidas e temos muitas cenas para gravar, isso não se encaixa no mecanismo”, afirma.  

Em “Malhação – Viva a Diferença”, Edgar é dono e diretor do Colégio Grupo e pai de Lica, vivida por Manoela Aliperti. O empresário herdou a escola de seu pai, um educador sério, mas não tem talento ou vocação para a educação. Além disso, se envolve com a Malu, personagem de Daniela Galli. “Comparo a Malu à personagem de William Shakespeare, Lady Macbeth. É exatamente isso: o Edgar é o Macbeth e ela, a Lady Macbeth. Ele foi seduzido por ela para fazer as atrocidades que faz”, opina.  

Apesar dos traços de vilania de Edgar, Antony sabia que interpretar um papel assim em “Malhação” demandaria outras nuances. “Era um horário diferente, não quis carregar nessas tintas. Preferi trazer certa humanidade para ele. Tinha uma leveza, foi muito interessante esse processo de construção”, avalia. Ao longo do tempo em que gravou suas cenas, o ator chegou a torcer por uma aproximação entre seu personagem e Lica. “Tinha esperança de uma reconciliação do pai com a filha. Mas, no final, não teve essa realização”, lembra.

Terra estrangeira

Desde junho de 2018, Marcello Antony vive em Portugal. Há dois anos, ele recebeu um convite para interpretar um papel de destaque na novela “Valor da Vida”, exibida pela emissora TVI entre setembro de 2018 e maio de 2019. “Aproveitei para trazer família e estabelecer base aqui”, explica Marcello, que ainda não fez outros trabalhos como ator na televisão desde então.  

Acostumado com a rotina de um estúdio de tevê, Marcello assume que não sentiu grande diferença no dia a dia de gravações da novela em Portugal. “O mecanismo de chegar na emissora, fazer a maquiagem, colocar o figurino, ir para o set, ensaiar e gravar, isso é igualzinho no Brasil”, garante. Porém, enxerga outros pontos que distanciam os dois mercados. “No Brasil, são 210 milhões de pessoas para assistirem. Já em Portugal, esse mercado é de apenas 10 milhões de pessoas. Isso faz uma grande diferença na carpintaria da produção, em como eles vão investir os recursos que levantam para a novela”, conta.

Instantâneas

# Marcello Antony completou 55 anos em janeiro.  

# Entre 1997 e 2009, ele foi casado com a atriz Mônica Torres.

# Sua estreia na tevê foi em 1996, na Globo, quando interpretou Bruno Berdinazzi na primeira fase de “O Rei do Gado”. No mesmo ano, interpretou um dos personagens centrais de “Salsa e Merengue”, primeira novela escrita por Miguel Falabella.  

# Em “Mulheres Apaixonadas”, Marcello chamou a atenção na pele do bonitão Sérgio, um homem que sofria com o ciúme excessivo da mulher, Heloísa, vivida por Giulia Gam.

 
 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!