Clique aqui e veja as últimas notícias!

TECENDO HISTÓRIA

Videoaula e live mostram a trajetória e a importância da faixa paraguaia para a cultura do Estado

A faixa paraguaia mostra a importância do símbolo para a cultura regional; videoaula pela internet e gratuita ensina como tecer o acessório
01/04/2021 10:30 - Naiane Mesquita


Faixa pantaneira ou faixa paraguaia. O acessório que costuma aparecer na roupa do peão legítimo tem uma história importante para a cultura sul-mato-grossense, que será revistada em uma live, em uma videoaula e também em um curso especial com mulheres da Associação Amigos de Maria, no bairro Noroeste, em Campo Grande.  

O resgate é fruto da dedicação da produtora e gestora cultural Claudia Medeiros, que há 18 anos estuda a importância do acessório, que passa de geração em geração. 

“Essa história começou em 2003, com o projeto Sapicuá Pantaneiro, que é um projeto de valorização da cultura pantaneira. Ali eu conheci a faixa paraguaia e passei quase dois anos procurando uma artesã que pudesse dar aula, porque era raro e não tinha essa pessoa. Então conheci a Marli, ela viajou e começou a dar aula para mim. Foi quando eu comecei esse trabalho de difusão”, conta Claudia.  

A trajetória da produtora com a faixa é antiga, mas o acessório tem uma relação ainda mais profunda com Mato Grosso do Sul. 

Na segunda metade do século 19, a Guerra do Paraguai, a exploração da erva-mate por meio da Companhia Matte Larangeira e a pecuária foram fatos históricos que contribuíram para a presença e a permanência de paraguaios no sul do então Mato Grosso. Após o ciclo da erva-mate e da charqueada, a mão de obra paraguaia foi absorvida pelo trabalho nas fazendas.

Últimas notícias

Como herança cultural desse período, atualmente a faixa paraguaia, além do caráter utilitário, passou a ser artesanato de referência cultural e também sinônimo de um peão bem paramentado. 

Do ponto de vista utilitário, a faixa enrolada na cintura tem o objetivo de dar sustentação à coluna do peão nas longas cavalgadas, uma vez que o seu trabalho implica em extensas jornadas no campo, Pantanal adentro. 

“Meu sonho, meu objetivo, é que a gente reconheça [a faixa] institucionalmente como um patrimônio imaterial de Mato Grosso do Sul e do Pantanal”, reforça Claudia.  

A faixa é confeccionada por artesãs que moram no Pantanal de Corumbá, de Rio Negro, de Rio Verde e de Aquidauana. “E dentro do Pantanal”, pontua a produtora. 

“Já foram muitas pessoas que aprenderam, tanto mulheres quanto homens e crianças. As crianças eu faço todo um trabalho pedagógico de educação patrimonial criativa por meio da faixa”, complementa.

De acordo com Claudia, o tear da faixa paraguaia é único e difícil de ser encontrado de forma massiva. “Isso enriquece muito. Além de gerar emprego para quem vai tecer a faixa, a gente gera emprego até para quem vai fazer o tear”, explica.  

Cursos

Por meio da Lei Aldir Blanc, pelo edital da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur), Claudia conseguiu realizar uma oficina durante os sábados dos meses de março e abril, em parceria com a Associação Amigos de Maria, no Jardim Noroeste. 

“São mulheres que realmente precisam de uma alternativa, e a gente não tinha um núcleo em Campo Grande. Atendemos um convite da associação e foi possível por meio da lei e do edital. Isso permitiu também que nós criássemos uma videoaula, que será disponibilizada gratuitamente pelo canal Faixa Paraguaia”, frisa.  

A videoaula completa tem 120 minutos de duração, ou pode ser feita também separadamente em 10 módulos. Neles, Claudia Medeiros ensina como preparar o tear, como tecer, o material utilizado, além de dar dicas de como construir seu próprio tear, entre outros segredos fundamentais da arte da faixa paraguaia.  

“Tem o passo a passo, como confeccionar o tear, experiências e vivências de outras faixeiras, de outras mulheres. Esse trabalho permitiu o acesso das pessoas a essa técnica”, enumera.  

Live

O lançamento do curso será realizado hoje, com uma palestra sobre inovação, patrimônio cultural e tecnologia social com o especialista André Lira (PE), às 16h, no canal Faixa Paraguaia, no YouTube.

Para o lançamento, a produtora convidou André Lira, do Pernambuco, que é especialista em negócios e inovação nos campos da cultura e da criatividade, para falar sobre a importância da cultura para o desenvolvimento de territórios, além de refletir sobre perspectivas de futuro frente aos desafios impostos pela pandemia aos setores cultural e criativo no Brasil. 

A live terá uma hora de duração e abordará questões de suma importância, não apenas ao ecossistema da faixa paraguaia, como também da economia criativa, importante setor que atrela sua produção às histórias, memórias, paisagens, talentos e culturas locais.

Serviço – o lançamento da videoaula Faixa Paraguaia – Tecendo Nossa História, com a live Cultura para o Desenvolvimento de Territórios, será realizado hoje, às 16h, no canal Faixa Paraguaia, no YouTube. 

Assine o Correio do Estado