Clique aqui e veja as últimas notícias!

EM 1 ANO

C3 Picasso e Chery estão entre os carros mais desvalorizados no Brasil; Confira

Estudo foi realizado pela agência Autoinforme que listou 20 modelos
16/09/2019 13:25 - BRUNA AQUINO


 

Mesmo a cada lançamento de veículos recorrente no Brasil, existem marcas e modelos que não caem no gosto do consumidor no mercado automobilístico. È o caso do Citroën C3 Picasso e do Chery Tiggo,  considerados os modelos com maior índice de desvalorização no Brasil por um período de um ano. O levantamento feito pela Agência Autoinforme mostra os 20 carros que mais perdem valor ao proprietário após um ano de uso. As informações são do portal Notícias Automotivas. 

O levantamento mostra que existem ‘N’ fatores que determinam o bom valor de revenda de um veículo no mercado, como por exemplo o atendimento, preço de peças, serviços de oficina, custo de seguro, entre outros, formando uma boa imagem do carro junto ao consumidor. È fato que, a desvalorização dos carros não está ligada apenas à qualidade do produto, mas de certa forma à estratégia de pós-venda dos fabricantes e importadores.

De acordo com o estudo da agência, feito com base na cotação da Molicar, o número um de desvalorização no mercado é o Citroën C3 Picasso, com uma depreciação de 22,2% com 12 meses de uso. O modelo foi descontinuado no mercado brasileiro em novembro do ano passado com a chegada da linha renovada do Aircross (o oitavo carro que mais desvaloriza). A minivan na versão “civil” perde 22,2% do seu valor a cada ano.

Ainda de acordo com o estudo, o percentual ligado ao C3 Picasso deverá ficar ainda pior com o fim de linha da minivan. Atualmente, seguindo a tabela Fipe- que expressa preços médios de veículos anunciados pelos vendedores, no mercado nacional, servindo apenas como um parâmetro para negociações ou avaliações-  um exemplar 2015 do modelo na versão Exclusive com motor 1.6 litro e câmbio automático tem preço de R$ 47 mil no mercado de usados. Para efeito de comparação, o veículo era vendido por algo em torno de R$ 63 mil, ou seja, desvalorização de R$ 16 mil na revenda do carro. 

Ainda no ranking de desvalorização, o segundo carro cotado na lista é de marca chinesa. O Chery Tiggo, automóvel mais caro da linha da montadora no País, que apresenta uma depreciação de 21,9% ao ano. Portanto, adquirindo hoje um exemplar do modelo com câmbio automático, que custa R$ 53,7 mil, é provável que o consumidor consiga revende-lo daqui um ano por aproximadamente R$ 41 mil, sendo assim uma perca de R$ 12,7 mil em apenas 12 meses de uso. 

Para fechar o terceiro lugar no topo da lista, está outro carro também de origem chinesa, mas da concessionária da JAC Motors. O sedã compacto JAC J3 Turin, que pode ser encontrado atualmente na versão “S” com motor 1.5 litro e transmissão manual por a partir de R$ 40.990, poderá ser revendido daqui um ano por pouco mais de R$ 30 mil, devido ao seu percentual de desvalorização de 21,1%. 

Cerca de 17 modelos entre eles Hyundai Elantra e até BMW Série 5 foram elencados no estudo. 

Outros veículos podem ser conferidos na lista completa abaixo:
 

1) Citroën C3 Picasso – 22,2%

2) Chery Tiggo – 21,9%

3) JAC J3 Turin – 21,1%

4) Hyundai Elantra – 20,3%

5) Citroën C4 Lounge – 20,1%

6) Chevrolet Cobalt – 19,1%

7) Chery Celer Sedan – 18,9%

8) Citroën Aircross – 18,6%

9) BMW Série 5 – 18,1%

10) Hyundai Grand Santa Fe – 17,6%

11) BMW Série 6 – 17,4%

12) Nissan Frontier – 16,9%

13) Fiat Freemont – 16,7%

14) Jeep Cherokee – 16,7%

15) Mitsubishi Pajero TR4 – 16,7%

16) Chevrolet Tracker – 16,7%

17) Dodge Journey – 16,5%

18) Suzuki Grand Vitara – 16,4%

19) Ford EcoSport – 16,4%

20) Volkswagen Amarok – 16,4%