Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SALDO

Abertura de empresas tem o melhor resultado em sete anos

Mesmo com crescimento menor em abril, no acumulado do ano os resultados são positivos
11/05/2020 16:41 - Súzan Benites


Dados da Junta Comercial de Mato Grosso do Sul (Jucems) apontam que de janeiro a abril foram abertas 2.361 empresas no Estado. O melhor resultado para os quatro primeiros meses do ano nos últimos sete anos, mesmo com número mensal tendo encolhido devido a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

 Com 2.361 aberturas de empresas no primeiro quadrimestre do ano, o resultado foi melhor que os últimos sete anos. A última vez que o número de empresas abertas foi superior, foi em 2013, quando nos quatro primeiros meses foram inaugurados 2.647 negócios. No mesmo período do ano passado foram 2.286 novas empresas. Enquanto em 2018 foram 2.156 negócios.

Em abril, Mato Grosso do Sul registrou a abertura de 450 empresas e fechamento de 270 negócios.  Queda de 25% na comparação ao mesmo mês do ano passado, quando foram abertas 600 empresas, mas 6% maior que o registrado em abril de 2017, quando foram abertos 425 novos negócios.

De acordo com o titular da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, os números menores no mês passado refletem a queda na atividade econômica devido ao coronavírus. “Tínhamos a previsão inicial de 2020 ser o melhor ano de abertura de empresas dos últimos nove anos, o que vinha se confirmando até março, mas que houve uma substancial mudança devido a pandemia”.

Já em relação ao fechamento de empresas, o número de abril é o menor registrado em 2020, mas o maior da série histórica para o mês. “Em outubro de 2019 o Governo Federal extinguiu a taxa paga por empresários para fechar a empresa e isso é sentido nos números, crescentes há meses. Desta forma, não necessariamente refletem um comportamento atual dos empresários”, explica o presidente da Jucems, Augusto César Ferreira de Castro.

Entre as empresas fechadas, 50% são do setor de comércio, sendo este o segmento mais impactado pelas condições econômicas atuais. Comércio varejista de vestuário, acessórios, produtos alimentícios, bebidas, doces, mercadorias em geral, gás liquefeito e restaurantes são os principais segmentos extintos em abril.

O presidente da Jucems explica que a Junta Comercial está trabalhando desde o início do tele trabalho adotado pelo Governo do Estado. “O sistema da Jucems é totalmente digital, sem necessidade de trabalho presencial, por isso continuamos atuando normalmente, obedecendo as normas vigentes”, destaca.

 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...