Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Após pressão de empresários, deputado retira requerimento para antecipar feriados

Setor do turismo demonstrou preocupação, alegando que poderia haver mais prejuízos
03/06/2020 09:44 - Adriel Mattos


O deputado estadual Luiz Carlos de Lima, o Lucas de Lima (Solidariedade), anunciou na sessão de ontem (2) da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (Alems) que retirou o requerimento que solicitava que o governo antecipasse feriados. A desistência foi formalizada na segunda-feira (1º).

“Ouvi muito a população, principalmente empresários do setor turístico de Bonito, Corumbá e outras regiões do Estado, que me pediram para retirar esse requerimento”, justificou.

Estudada em diversos estados para diminuir os prejuízos causados pela crise da pandemia de Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus), a medida foi prontamente rechaçada por empresários e autoridades quando apresentada. “Todos os empresários estão preocupados com a ideia, pois ela será muito prejudicial a todo setor. Ela será negativa para o turismo e lazer, já que grande parte dos turistas viajam nos feriados e nós precisamos deles para cumprirmos com nossas obrigações mensais”, explicou o presidente do Instituto de Desenvolvimento de Bonito (IDB), Guilherme Poli, ao site BonitoNet.

O documento também foi encaminhado para o prefeito Marcos Trad (PSD). “A intenção é impedir o prolongamento desarrazoado dos dias não trabalhados e de manter ‘a roda da economia girando’, é especialmente relevante em situações de grave crise econômica como a que ora enfrentamos. Após o fim do estado de calamidade, cada dia útil fará diferença para a recuperação econômica e social da nação, em busca da retomada da produtividade estadual e nacional, escreveu o deputado na justificativa.

 
 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.