Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CARGA TRIBUTÁRIA

Até hoje, população trabalhou apenas para pagar impostos

Pesquisa mostra que foram trabalhados 151 dias para pagar os tributos, dois a menos que 2019
30/05/2020 09:58 - Daiany Albuquerque


 

Até este sábado (30) o brasileiro trabalhou apenas para pagar impostos, é o que mostra pesquisa do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), divulgado pela Exame. Ao todo, foram necessários 151 dias este ano para pagar os tributos.

O levantamento afirma que este ano, cerca de 41,25% do rendimento anual dos brasileiros foi destinado para os governos federal, estadual e municipal, por conta dos tributos. Essa porcentagem é menor que a de 2019, quando foram 41,8%. Entretanto, ela é superior ao calculado em 2013, quando eram 41,10% da renda revertida para impostos.

Apesar de o número de dias ser alto, ele foi menor que o registrado no ano passado, quando foram necessários 153 dias de trabalho para pagar as tributações. De acordo com a reportagem, essa é a primeira vez, desde 2009, que o número de dias cai, naquele ano foram precisos 147 dias de trabalho.

A pesquisa, entretanto, analisou o período de maio de 2019 a abril de 2020, ou seja, não alcançou o cenário de pandemia da Covid-19 e redução da atividade econômica em função do isolamento social. Esses dados só devem ser contabilizados na pesquisa que for feita em 2021.

Para o próximo ano, o Instituto já projeta que a quantidade de dias trabalhados para pagar os tributos deverão ser menor que este ano, em função de que algumas cidades e estados decretaram quarentena por conta da pandemia, e tiveram o comércio não essencial completamente paralisado. Ainda conforme e matéria, isso se dá em função de a carga tributária brasileira ter peso maior no consumo em comparação com patrimônio e renda.

O Estudo também mediu quanto cada classe social paga, proporcionalmente, de imposto, e identificou que a classe média é a que mais gasta com pagamento de tributos. O Instituto tomou como base rendimentos de: até R$ 3 mil (classificado como classe baixa); de R$ 3 mil a R$ 10 mil (classe média); e acima de R$ 10 mil (classe alta). 

Tendo como base este rendimento, a pesquisa teve a conclusão de que a classe média pagou cerca de 43,9% de seu rendimento. Já a classe alta teve 42% retirado para pagamento de impostos. A classe baixa pagou 39% de tributos.

 

Felpuda


Pré-candidato a prefeito de Campo Grande divulgou vídeo em que político conhecido Brasil afora anuncia apoio às suas pretensões. O problema é que o tal líder já andou sendo denunciado por mal feitos em sua trajetória, sem contar que o pai do dito-cujo teve de renunciar ao cargo de ministro por ter ligações nebulosas com empresa de agrotóxico. Depois do advento da internet, essa coisa de o povo ter memória curta hoje não passa de coisa “da era pré-histórica”.