Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POR R$ 600

Campo-grandense enfrentou calor e fila de mais de 2h para sacar auxílio emergencial

Nesta quarta-feira os nascidos em maio e junho tinha direito ao benefício
29/04/2020 16:19 - Fábio Oruê, Súzan Benites


 

Quem precisou sacar o auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal nesta quarta-feira (29) em Campo Grande precisou enfrentar enormes filas e mais de 2h de espera para ser atendido. As filas se formavam do lado de fora para evitar aglomeração dentro das agências, seguindo recomendações do Ministério da Saúde.

Renata Carvalho, de 32 anos, ficou desempregada há algumas semanas por conta da pandemia do coronavírus e foi atrás do benefício, que será a única renda da família de cinco pessoas. “Meu marido também está desempregado; perdeu o emprego depois de mim”, disse ela, explicando que o companheiro não tem direito ao auxílio porque tinha a carteira assinada há pouco tempo. Ela chegou na agência da Rua Barão do Rio Branco, no Centro, por volta de 12h20 e às 14h10 ainda estava longe de ser atendida. 

Os R$ 600 é o que sustentará a família, que também conta com crianças de um, quatro e 12 anos de idade. “A gente vai ter que escolher entre pagar conta de água, luz ou comer. Com certeza a gente vai ter que escolher comer porque é o mais importante”, disse ela ao Correio do Estado

Ela relatou que tentou utilizar o aplicativo da Caixa, mas não conseguiu obter o código de acesso para sacar o dinheiro. “Fui na lotérica e me informaram que eu teria que procurar atendimento presencial para conseguir sacar; no caixa eletrônico também teria que ter o código que eu não tinha”, explicou.

Procurada, a Caixa informou que tem envidado todos os esforços para otimizar e acelerar o atendimento em seus canais físicos e digitais. 

 
 

A empresa também informou que “o escalonamento foi pensado justamente para evitar a busca massiva às agências, no momento em que se recomenda evitar aglomerações”. O banco ressalta para apenas buscarem as agências aqueles usuários que precisam realizar serviços essenciais ou os beneficiários que receberam o auxílio na Poupança Social Digital e desejem fazer o saque em espécie, conforme o seguinte calendário: 29 de abril, os nascidos em maio e junho; 30 de abril, nascidos julho e agosto; 04 de maio, nascidos em setembro e outubro; e 05 de maio, nascidos em novembro e dezembro.

Segunda a Caixa, agências em diversas partes do País registram grandes filas e aglomerações de pessoas que não fazem parte do público alvo do atendimento presencial, ou seja, clientes em busca de serviços essenciais - como saque do seguro desemprego e Bolsa Família sem cartão, desbloqueio de senhas, etc - e o público beneficiário do saque em espécie escalonado por data de nascimento. Levantamento aponta que apenas uma pessoa a cada cinco que buscaram presencialmente o banco na segunda-feira (27) tinha direito ao saque na referida data.

O ex-vendedor Jairo de Souza, de 28, tinha chegado às 13h40 e ficou surpreso com o tamanho da fila. “Eu não estava esperando. Acho que vou ter que esperar bastante; tem gente que está aqui há horas”, comentou. Ele trabalhava em uma loja de roupas na Vila Carvalho, que teve que fechar as portas por conta da pandemia. 

Visando otimizar o atendimento e organização das filas, a CAIXA também alocou 2,8 mil novos vigilantes e aumentou o número de recepcionistas para reforçar a orientação ao público e manter os protocolos já implementados para garantir a saúde de todos.  No próximo sábado, às 800 agências em todas as regiões do país estarão abertas, no horário de 08 às 12 horas. 

 

Felpuda


Candidato a prefeito de cidade do interior foi buscar “inspiração” para elaborar seu programa de governo.

Assim, não se fez de rogado em beber da fonte de prefeito que tenta a reeleição em município da Bahia.

O dito-cujo cá dessas bandas copiou as propostas e vinha as apresentando como sendo de sua autoria.

A população já descobriu o plágio e ainda aguarda uma explicação.

Se não houver, as urnas certamente a darão.