Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REAÇÃO

Baixa oferta eleva saca do milho 33% no Estado

O preço médio da saca de 60 quilos do cereal ficou em R$ 43,86
14/03/2020 11:00 - Súzan Benites


 

Mato Grosso do Sul aumentou a exportação de milho em grãos em 409% no ano passado. Com o crescimento da venda do cereal para outros países, o mercado interno fica com a oferta reduzida. Conforme os dados da Granos Corretora, o preço médio da saca do milho de 60 kg ficou em R$ 43,86 em março; no comparativo com o mesmo período do ano passado, houve aumento de 33,86%, quando o cereal havia sido cotado, em média, a R$ 32,77 a saca.

O presidente da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja-MS), André Dobashi, reforça que a elevação no preço está relacionada à baixa oferta. “Isso tem mais a ver com oferta e demanda do que a alta do dólar. O preço do milho está mais alto esse ano porque houve uma grande exportação de milho pelo Brasil e Mato Grosso do Sul, de forma que os estoques estão baixos”, explicou.

Conforme os dados do último Boletim Casa Rural, elaborado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), houve valorização de 1,88% no preço da saca do milho em MS, entre 2 e 9 de março de 2020. O cereal encerrou o período negociado a R$ 44,06. A praça de Caarapó foi a única a registrar desvalorização no período, sendo cotada a R$ 44.

Dobashi ainda explica que muitos produtores realizam a venda prévia dos grãos. “O produtor normalmente realiza a venda antecipada de uma parte de sua produção, seja pela oportunidade de venda da produção por um preço maior, seja pela ausência de capacidade de armazenagem pelo produtor”, contextualizou o presidente da Aprosoja-MS.

A economista Adriana Mascarenhas explica que indiretamente a valorização do milho acaba chegando a ponta final da cadeia, o consumidor. “O milho é a base da alimentação de suínos e aves. Principalmente de aves, representa 80% do custo de produção da ração. Isso vai aumentar o custo de produção dessa ração e, indiretamente, o aumento do custo para produzir o frango com certeza vai ser repassado ao consumidor. Está tudo interligado, desde a revenda dos insumos até o consumidor final”, comentou a economista.  

DÓLAR  

A cotação do dólar bateu recordes nesta semana. A moeda norte-americana fechou em R$ 4,81 nesta sexta-feira (13) e chegou a abrir os mercados acima de R$ 5 durante a semana. O setor produtivo aponta que a valorização da moeda diante do real pode ser positiva ou negativa, dependendo do ponto de vista.

Para a economista, a competitividade no mercado internacional é o ponto mais positivo. “O dólar quando está alto é benéfico para vender para o mercado externo, porque a gente ganha competitividade no mercado internacional perante outros países também grandes produtores, principalmente os Estados Unidos, que são os maiores produtores de milho”, explica Adriana.  

Segundo Dobashi, apesar das commodities terem seu preço baseado no dólar e isso ser um fato positivo, outros produtos ficam mais caros. “É importante destacar que o custo de produção também é impactado, porque alguns insumos como fertilizantes têm seu preço atrelado ao dólar. O mais importante é que o produtor sempre observe seu custo de produção e rentabilidade”.

MERCADO

Levantamento realizado pela Granos Corretora aponta que até 9 de março o Estado já havia comercializado 29,61% do milho safrinha 2020, atraso de 2 pontos porcentuais comparado ao índice apresentando no mesmo período em relação à safrinha 2019.

As cotações do milho no mercado internacional em Chicago/EUA registraram desvalorização nos contratos entre 2 a 9 de março deste ano. Os vencimentos de março/2020 e maio/2020 encerram o período cotados em US$ 3,74 e US$ 3,73 por bushel, desvalorização de 1,96% e 2,23%, respectivamente. Os contratos de julho/2020 e setembro/2020 desvalorizaram 2,28% e 2,17%, negociados a US$ 3,75 e US$ 3,73 por bushel.

Desempenho das exportações

De janeiro a dezembro de 2019, as exportações de milho em grão somaram US$ 437,365 milhões. No mesmo período em 2018, a commoditie tinha gerado US$ 85,842 milhões em negócios para o Estado.

 

Felpuda


Embora embalada por vários “ex”, pré-candidatura a prefeito de esforçada figura não deslancha. É claro que ninguém ousa falar em voz alta que o apoio, em vez de alavancar os índices com o eleitorado, está é puxando para baixo. Uns dizem que o título do filme “Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado” retrata bem a situação. Outros complementam: “... na primavera, no outono, no inverno...”. Como diria vovó: “Aqui você planta, aqui você colhe!”.