Economia
ADEQUAÇÃO

Banco Central pede ao governo reajuste de 22% para servidores, mas retira proposta

A pauta salarial é a principal reivindicação da categoria

FOLHAPRESS

12/05/2022 19:00

Após encaminhar nesta quinta-feira (12) uma proposta de MP (medida provisória) ao Ministério da Economia por reajuste salarial de 22% aos servidores a partir de junho e demandas de reestruturação de carreira, o Banco Central retirou a minuta do sistema alegando ter detectado "inconsistências".

"O Banco Central detectou inconsistências no texto de minuta de medida provisória para a reestruturação das carreiras e a modernização da gestão de pessoas nesta autarquia. Por isso, fez sua retirada do Sistema de Geração e Tramitação de Documentos Oficiais do Governo Federal (Sidof)", comunicou.

A pauta salarial é a principal reivindicação da categoria, que pede recomposição de 27%. No BC, analistas recebem um salário bruto mensal aproximado de R$ 19 mil a R$ 27 mil, enquanto a remuneração de técnicos varia em torno de R$ 7.500 a R$ 12,5 mil.

O governo discute um reajuste linear de 5% para todo o funcionalismo público. Como antecipou o jornal Folha de S.Paulo em 13 de abril, Bolsonaro decidiu conceder o aumento para todas as carreiras –inclusive militares das Forças Armadas, além de integrantes do Judiciário e do Legislativo– a partir de 1º de julho. A medida ainda não foi oficializada.

Insatisfeitos com o andamento das negociações, os servidores do BC retomaram a greve por tempo indeterminado no último dia 3 de maio, após duas semanas de trégua.

Em nota, o Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central) comunicou que a paralisação dos funcionários da autoridade monetária continuará até a publicação oficial da MP confirmando a recomposição salarial.

Entre as pautas de reestruturação de carreira do BC, o documento que chegou a ser enviado à Economia trata da exigência de nível superior para o ingresso no cargo de técnico e a alteração do nome do cargo de analista para auditor.