Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRISE

Banco do Brasil atinge R$ 3,3 bi em empréstimos a micro e pequenas empresas

Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte tem dois dias de operação
08/07/2020 01:00 - Estadão Conteúdo


 

O Banco do Brasil já contratou R$ 3,3 bilhões em empréstimos a micro e pequenos empresários em dois dias de operação do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). O banco se aproxima, assim, da meta de esgotar os recursos da iniciativa, aposta do governo Bolsonaro para destravar o crédito para esse público, ainda nesta semana.

O limite para o BB e os grandes bancos em geral é de R$ 3,7 bilhões - a cifra depende do porte da instituição. Os principais concorrentes privados ainda não começaram a operar a linha. Por ora, além do BB, a Caixa Econômica Federal é o único grande banco que opera o programa e já emprestou quase R$ 1,5 bilhão na modalidade.

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Alexandre da Costa, disse nesta terça-feira, 7, que os recursos disponibilizados para crédito no Pronampe já foram quase todos tomados. "Já estamos preocupados, porque recursos do Pronampe vão terminar em breve", admitiu, durante audiência pública virtual da Comissão Mista do Congresso que acompanha as medidas ligadas à pandemia do novo coronavírus.

O orçamento total do Pronampe é de R$ 18,7 bilhões, a partir de R$ 15,9 bilhões que foram aportados em recursos do Tesouro Nacional no Fundo Garantidor de Operações (FGO) para serem utilizados como garantias. Administrado pelo BB, o FGO irá cobrir 100% das operações e até 85% de eventuais perdas que os bancos tenham com a linha.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.