Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GANHO MENSAL

Brasil tem renda média de R$ 2,3 mil

Índice permaneceu estável no 4º trimestre de 2019
14/02/2020 17:15 - Estadão Conteúdo


O rendimento médio dos trabalhadores ocupados ficou estatisticamente estável - ou seja, dentro da margem de erro da pesquisa - na passagem do terceiro trimestre para o quarto trimestre do ano em 25 das 27 Unidades da Federação. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Além disso, houve queda significativa no rendimento em Roraima, -7,7%, e no Piauí, -5,8%.

“Esse movimento está associado ao crescimento da ocupação ligado a atividades com baixos salários, o que não possibilita ganho de rendimento desses trabalhadores”, justificou Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE.

O rendimento médio real de todos os trabalhos na média nacional foi estimado em R$ 2.340 no quarto trimestre, mostrando estabilidade estatística tanto em relação ao trimestre imediatamente anterior (R$ 2.317) quanto em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.332).

No quarto trimestre, a maior renda média foi registrada no Distrito Federal (R$ 4.064). O menor rendimento foi o do Piauí (R$ 1.345).

Na comparação com o quarto trimestre de 2018, a renda média ficou estatisticamente estável também em 25 das 27 Unidades da Federação no quarto trimestre de 2019.

Houve elevação significativa apenas no Rio de Janeiro, 5,1%, mas queda em Alagoas, -8,8%.

 

Felpuda


Mesmo sabendo que não é fácil conquistar a vitória, alguns políticos em pleno exercício do mandato disputam eleições, querendo trocar o Legislativo pelo Executivo e se dizendo preocupados com as necessidades do município. 

A jogada é antiga: fazem campanha eleitoral antecipada, pois vão tentar a reeleição, e começam a “trabalhar” o nome desde já. É bom lembrar o dito popular: “De boas intenções o inferno está cheio”. Ah, o poder!