Economia

TRABALHO

Campo Grande é a quarta capital do país em geração de vagas

Campo Grande é a quarta capital do país em geração de vagas

DA REDAÇÃO

21/07/2011 - 15h00
Continue lendo...

Campo Grande foi a quarta capital no País que mais gerou empregos no primeiro semestre de 2011. De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), divulgados nesta quarta-feira (20.07), a Capital ganhou 8.590 empregos.

O setor de Serviços foi responsável por 4.255 novos empregos, sendo 50% do saldo acumulado no 1º semestre. O setor de construção civil gerou 2.215, Comércio 1.185 e Indústria de Transformação 666 novos empregos.

No mês de junho o setor econômico que mais contribuiu foi o de Construção Civil com saldo de 589 novos empregos, sendo responsável por 39% do saldo no município, em segundo lugar o setor de Serviços contabilizou 572 novos postos de trabalho e o Comércio teve o registro de 195 novos empregos. Os dados econômicos da Capital estão registrados no Boletim do Observatório do Trabalho de Campo Grande, conforme pesquisa realizada pelo Economista da FUNSAT, Áureo Torres.

MS DAY

Estado prospectou R$ 30 bilhões em investimentos nos EUA

Após semana em Nova York, Riedel volta com R$ 3 bilhões em investimentos e encaminhamento de outros R$ 27 bilhões

21/05/2024 08h30

Governador Eduardo Riedel no evento MS Day, em Nova Iorque (EUA)

Governador Eduardo Riedel no evento MS Day, em Nova Iorque (EUA) Foto: Divulgação

Continue Lendo...

O governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB), voltou de Nova York, nos Estados Unidos, animado com a receptividade dos projetos estratégicos de Mato Grosso do Sul para investidores não apenas norte-americanos, mas de todo o mundo.

Pelo menos R$ 30 bilhões em novos investimentos estão no radar do governador: R$ 3 bilhões de indústrias que já confirmaram seus novos empreendimentos, e mais R$ 27 bilhões em parcerias estratégicas, que incluem rodovias, o complexo de parques em Campo Grande e a rede hospitalar (leia mais nesta edição).

O setor de logística mereceu um dia especial durante a semana repleta de eventos composta pelo road show de Mato Grosso do Sul no exterior, o MS Day, além de eventos da Lide e promovidos pelo governo brasileiro durante a Semana do Brasil em Nova York.

Somente para o projeto que prevê a concessão conjunta das rodovias BR-262, no trecho entre Campo Grande e Três Lagoas; BR-267, no trecho Bataguassu - Nova Alvorada do Sul; e MS-040/MS-338, de Campo Grande a Bataguassu, o Estado precisa captar pelo menos R$ 5,5 bilhões para investir na estrutura das estradas (Capex) e aproximadamente o mesmo valor para investimentos operacionais (Opex) no período da concessão.

O objetivo do governador Eduardo Riedel é confirmar a delegação das rodovias ao governo do Estado pela União em breve para levar a concessão a leilão na B3, a bolsa de valores brasileira, ainda no segundo semestre deste ano.

“Essas são rodovias em que nós temos de avançar. E é importante estarmos no centro econômico e financeiro do mundo, que é Nova York, porque Mato Grosso do Sul entra no radar dessa turma que está lá. Se a gente não vai, podemos perder a oportunidade de atrair R$ 27 bilhões para um pipeline (fluxo de investimentos, no jargão do mercado) que estão no radar para o próximo ano e meio”, explicou Eduardo Riedel.

Parques

No caso dos parques, a expectativa é que a modelagem seja concluída ainda neste ano, para que o complexo de parques estaduais de Campo Grande vá a leilão no primeiro semestre do próximo ano.

O plano do governo de Mato Grosso do Sul é conceder para a iniciativa privada o Parque das Nações Indígenas, o Parque Estadual do Prosa, e juntamente no pacote, equipamentos importantes como o Aquário do Pantanal.

A somatória dos investimentos necessários para as rodovias, os parques e para a rede hospitalar de Mato Grosso do Sul, que prevê pelo menos 900 leitos, é de pelo menos R$ 27 bilhões.

Captações

O governo de Mato Grosso do Sul também captou R$ 3 bilhões em investimentos. O menor deles é o único já anunciado: uma fábrica de colágeno orgânico em Terenos. Os outros são na área de bioenergia, uma indústria de papel (subproduto da celulose) e de proteína animal.

Malha Oeste

Apesar de ser estratégica para Mato Grosso do Sul, a Malha Oeste deve continuar sob administração do governo federal.

O acordo que está encaminhado é para que a Rumo revitalize o trecho entre Campo Grande e Três Lagoas, conectando-o às malhas Norte/Paulista em Aparecida do Taboado.

A concessão viria em um investimento conjunto da Suzano e da Eldorado. Na outra ponta da Malha Oeste, em Corumbá, a J&F Mineração tem interesse em revitalizar o trecho entre Porto Esperança e Corumbá.

ASSINE O CORREIO DO ESTADO

PRODUÇÃO FLORESTAL

Paraguai receberá U$4 bilhões para projetos de eucalipto e celulose

Primeira mega planta de celulose tem previsão de gerar milhares de empregos na região

20/05/2024 20h00

Paraguai receberá R$4 bilhões para projetos de eucalipto e celulose

Paraguai receberá R$4 bilhões para projetos de eucalipto e celulose Divulgação/CNA

Continue Lendo...

Paraguai está avançando com o objetivo de se tornar um líder global na produção florestal sustentável, aproveitando seu extenso território como recurso vital para ingressar nesse setor.

Dados oficiais indicam que 45% do território paraguaio possui um potencial significativo para a produção florestal, abrindo novas oportunidades econômicas para o país.

O Grupo Zapag, conhecido por sua atuação no esporte e por liderar a diretoria do clube Cerro Porteño, decidiu investir fortemente no setor de papel.

A empresa planeja injetar US$ 4 bilhões na produção de eucalipto, em parceria com um consórcio estrangeiro. Este empreendimento é a Paracel - primeira mega planta de celulose no Paraguai, que gerará milhares de empregos na região.

A iniciativa será realizada em colaboração com a companhia sueco-belga Girindus Investments, e a previsão é que as operações comecem em 2027.

Segundo os diretores da Paracel, a base florestal necessária para o projeto já está assegurada, com mais de 103 mil hectares de plantações de eucalipto disponíveis. A planta projetada terá uma capacidade de produção estimada em 1,8 milhão de toneladas anuais de celulose.

Impacto Econômico e Sustentabilidade

Este projeto representará um marco pioneiro para o Paraguai e refletirá a confiança no futuro do setor florestal do país.

Além de promover a sustentabilidade, a nova planta de celulose ainda abrirá as portas para uma nova atividade econômica, consolidando o Paraguai no cenário internacional da produção florestal sustentável.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).