Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

26 DE AGOSTO

Comércio é autorizado a abrir no feriado do aniversário de Campo Grande

Capital comemora 121 anos no dia 26 de Agosto, que será na próxima quarta-feira
19/08/2020 08:33 - Glaucea Vaccari


O comércio varejista e atacadista de Campo Grande irá funcionar normalmente no feriado de 26 de Agosto, aniversário da Capital.

A autorização foi garantida em convenção coletiva de trabalho, firmada entre o Sindicato do Comércio Varejista de Campo Grande (Sindivarejo-CG), Fecomércio e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande.

Horário de funcionamento será conforme consta no alvará de cada estabelecimento, mas respeitando o toque de recolher às 22h.

Para abrir, os comerciantes precisam informar o sindicato com antecedência de cinco dias, além de pagar R$ 15 para cada funcionário que trabalhar no dia. O empregado também terá direito a uma folga compensatória.

Estabelecimentos também devem estar dentro das normas de biossegurança definidas em decreto municipal, como atender no limite de até 50% da capacidade, obrigatório uso de máscaras e fornecimento de álcool em gel, entre outros.

Autorização para funcionar no horário previsto em alvará já é válida para todos os dias, conforme novo decreto da prefeitura, com flexibilização das medidas de restrição, publicado na última segunda-feira (17).

“O varejo de Campo Grande, graças à responsabilidade com que tem tratado todo esse momento tão sério da pandemia, saiu vitorioso”, disse o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Adelaido Vila.

 “Nós vamos poder trabalhar normalmente no feriado do dia 26 de agosto. [...]É uma vitória significativa, ainda não atende todos os setores de bares e restaurantes, mas nós estamos trabalhando”, acrescentou.

 
 

Felpuda


Os bastidores fervem com a ciumeira que vem acontecendo em alguns municípios, onde determinados candidatos estariam sendo mais prestigiados que outros depois das alianças que foram formalizadas nas convenções. As queixas só aumentam, e as lideranças partidárias já não sabem o que fazer, temendo a possibilidade de que a vitória vá para o ralo. A bronca maior está entre integrantes das chapas puras de vereadores que se coligaram na majoritária. E salve-se quem puder!