Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

R$ 600

Confira o calendário de pagamento do 3º lote do auxílio emergencial

Quem solicitou pelo app ou pelo site começa a receber neste sábado
27/06/2020 01:00 - Agência Brasil


A Caixa Econômica Federal anunciou hoje (26) a data de pagamento da 3ª parcela do auxílio emergencial e de lotes residuais da 1ª e 2ª parcelas. Os depósitos começam amanhã, sábado (27), e vão até o dia 4 de julho.

O saque em espécie do auxílio só será liberado a partir do dia 18, e será disponibilizado por grupos de acordo com o mês de nascimento, seguindo o modelo dos depósitos.

Veja o calendário:

Mês de nascimentoDepósito do benefícioLotesNúmero de beneficiados
janeiro
e fevereiro
27 de junho3ª parcela
↳lote 1

2ª parcela
↳lote 2

1ª parcela
↳lote 4
6,5 milhões
março
e abril
30 de junho3ª parcela
↳lote 1

2ª parcela
↳lote 2

1ª parcela
↳lote 4
6,9 milhões
maio
e junho
1º de julho3ª parcela
↳lote 1

2ª parcela
↳lote 2

1ª parcela
↳lote 4
6,9 milhões
julho
e agosto
2 de julho3ª parcela
↳lote 1

2ª parcela
↳lote 2

1ª parcela
↳lote 4
6,8 milhões
setembro
e outubro
3 de julho3ª parcela
↳lote 1

2ª parcela
↳lote 2

1ª parcela
↳lote 4
6,8 milhões
novembro
e dezembro
4 de julho3ª parcela
↳lote 1

2ª parcela
↳lote 2

1ª parcela
↳lote 4
6,5 milh

Para quem necessita sacar em espécie o benefício, a Caixa também anunciou o calendário de saques para a 3ª parcela. Confira abaixo:

Mês de nascimentoDia da liberação do saque
janeiro18 de julho
fevereiro25 de julho
março1º de agosto
abril8 de agosto
maio15 de agosto
junho29 de agosto
julho1º de setembro
agosto8 de setembro
setembro10 de setembro
outubro12 de setembro
novembro15 de setembro
dezembro19 de setembro
 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.