Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REAJUSTE

Conta de luz ficará 6,9% mais cara para os consumidores atendidos pela Energisa

Tarifa começaria a valer amanhã, mas aplicação foi adiada por 90 dias a pedido da concessionária
07/04/2020 18:59 - Clodoaldo Silva


 

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aumentou, em média, 6,9% a tarifa de energia elétrica dos cerca de um milhão de consumidores atendidos pela Energisa MS em 74 municípios de Mato Grosso do Sul. 

A tarifa começaria a valer a partir de amanhã, porém sua aplicação foi adiada por 90 dias a pedido da própria concessionária. Para os consumidores residenciais a elevação será de 6,89%%, já para as empresas 6,93%%. 

Com essa decisão, o incremento nos últimos três anos chega a  29,16%, uma vez que foi de 12,39% no ano passado e 9,87% em 2018.

O aumento foi impulsionado pelo custo da compra da energia elétrica, principalmente Itaipu. 

Já o abatimento dos efeitos dos anos anteriores contribuiu para segurar a elevação em mais 5,9%, de acordo com a área técnica da agência.

O  relator do processo, Sandoval de Araújo Feitosa Neto, após anunciar o aumento ressaltou que “porém sem aplicação imediata das tarifas, a concessionara continuará a aplicar até 30 de junho de 2020 as tarifas atualmente vigentes. 

As novas tarifas começam a vigorar em 1 de julho de 2020”, explicando que essa queda de receita “será compensado através de modulação do valor mensal de R$ 14 milhões das cotas da CDE mensais da Energisa MS”.

No ano passado, a Aneel elevou em média a tarifa de energia elétrica dos consumidores da Energisa MS em 12,39%, sendo 11,47% para consumidores residenciais. 

O cálculo foi impactado pelos custos de aquisição de energia, como por exemplo, a compra de energia da Usina Hidrelétrica de Itaipu que é precificada em dólar, a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais. 

Por outro lado, o pagamento do empréstimo da Conta ACR e ajustes em rubrica (retirada CDE Decreto) da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) ajudaram a reduzir o reajuste em aproximadamente – 3,7%. Já a bandeira  tarifária contribuiu para reduzir em 2,83% o índice final do reajuste da EMS.

Este foi quarto aumento autorizado este ano pela Agência. 

Ontem mesmo, a Aneel elevou em 6,05% a tarifa da CPFL. Em 10 de março, a Aneel reajustou em média 5,91% a tarifa da Light Serviços de Eletricidade, que atende 4,6 milhões de clientes no Rio de Janeiro. 

No mesmo dia a diretoria da ANEEL aprovou o reajuste tarifário médio de 2,29% da ENEL Distribuição Rio, que atende outros 2,6 milhões de unidades em 66 municípios do Rio de Janeiro.

Estes percentuais só não foram maiores porque houve o pagamento antecipado do empréstimo da Conta ACR no ano passado. 

A Conta-ACR foi um mecanismo de repasse de recursos às distribuidoras para cobertura dos custos com exposição involuntária no mercado de curto prazo e o despacho de termelétricas entre fevereiro e dezembro de 2014.

Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço, divididos em Parcela A (aquisição e transmissão de energia e os encargos setoriais) e Parcela B (custos gerenciados pela empresa para manter suas atividades).

 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!