Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Demanda por voos domésticos cai 93,09% em abril deste ano

Foram os piores resultados mensais da série histórica da Agência Nacional de Aviação Civil
21/05/2020 20:00 - Estadão Conteúdo


 

A demanda por voos domésticos teve queda de 93,09% em abril, em relação a igual mês do ano passado, refletindo o agravamento do impacto da pandemia do novo coronavírus na aviação comercial brasileira, informou a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). A oferta de assentos nos aviões recuou 91,35% na mesma comparação. Segundo a associação, foram os piores resultados mensais da série histórica da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), iniciada em 2000.

A taxa de ocupação dos aviões ficou em 65,45% em abril, uma diminuição de 16,42 pontos porcentuais na comparação anual, desempenho mais fraco desde junho de 2010. O volume de passageiros transportados em voos nacionais teve retração de 94,55%, para 399.558 pessoas, pior resultado mensal em 20 anos.

INTERNACIONAL

O transporte de passageiros para o mercado internacional, entre as companhias aéreas nacionais, caiu 98,13% em março, diante do mesmo mês de 2019. A oferta recuou 96,42% na mesma base de comparação. O aproveitamento dos aviões teve redução de 40,53 pontos porcentuais, para 44,25%. Ao todo, foram transportados 9 210 passageiros, queda de 98,70%. Novamente, os piores desempenhos mensais para esses indicadores desde 2000.

CARGAS

A Abear informou ainda que a demanda por transporte aéreo de cargas no País recuou 66,86% em abril, em relação ao mesmo mês do ano passado. Para o mercado internacional, a retração foi de 58,80%.

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.