Clique aqui e veja as últimas notícias!

CONTROVÉRSIA

Campo Grande fechou mês de novembro com aumento de 15% no número dívidas no cartão de crédito

Pesquisa divulgada hoje aponta que, em contrapartida, número de endividados na Capital caiu
08/12/2020 15:46 - Brenda Machado


No topo do ranking de endividamentos de Campo Grande há mais de seis meses, o cartão de crédito segue liderando como o tipo de dívida mais comum entre a população, agora representando 76,9%.

O número representa um aumento de 15% para novembro, em relação ao mês anterior.

Acompanhe as últimas notícias do Correio do Estado

Os dados foram retirados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), e publicada nesta terça-feira (08).

Passando para uma visão geral sobre a PEIC, o levantamento também mostra que o número de endividados na Capital teve uma ligeira queda após dois meses de alta.

Em outubro, o percentual era de 62,8%, em novembro caiu para 61,6%.

Apesar de não parecer muito significativo, a queda representa um saldo de menos 3.591 endividados, fazendo com que o novembro fechasse com 193.209 mil famílias ainda tendo de se preocupar com as contas a mais.

Voltando à lista dos tipos de dívidas mais comuns, os outros recortes mais significativos são os carnês (29,8%), financiamentos de carros (12,6%) e créditos consignados.

Com base nestes dados, e prevendo um problema futuro, a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS, Daniela Dias, faz um alerta.

"Outro fator é o crescimento da contratação de crédito consignado, passando de 5,7% para 9% este mês. As pessoas estão recorrendo a contratações de empréstimos para quitar as contas, mas isso precisa ser feito de uma forma cautelosa, para não gerar um endividamento maior lá na frente”, destacou.

A pesquisa também aponta que o maior índice de endividados está entre os que recebem até 10 salários mínimos.

Nesta faixa de renda, 64,6% informaram ter compromissos parcelados, enquanto entre os que estão em faixa de renda superior o índice é de 45,8%.