Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

HOSPEDAGEM

Em crise, setor de hotelaria demitiu 150 em Mato Grosso do Sul

Em Campo Grande, Ibis mandou 70 embora e entrou em "hibernação", diz associação
16/04/2020 11:15 - Ricardo Campos Jr


 

Cerca de 150 trabalhadores do setor de hotelaria e hospedagem perderam os empregos em Mato Grosso do Sul devido à crise da Covid-19. Os casos mais recentes de demissões em massa, conforme a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Mato Grosso do Sul (ABIH-MS), foram as duas unidades Ibis em Campo Grande, que mandaram 70 funcionários embora nesta semana.

Marcelo Mesquita, presidente da entidade, explica que a empresa não fechou em definitivo, mas entrou em “hibernação”. A medida, por enquanto, ajudará a empresa a ficar em pé e retomar as atividades quando a quarentena acabar.

Deville e Vale Verde estão nessa mesma situação, segundo ele. Contudo, essas duas companhias optaram em suspender contratos de trabalho e tentam acessar os benefícios da Medida Provisória 936, em que o Governo Federal compensa parte da perda financeira que os funcionários terão nesse período.

 
 

“Se o fechamento durar mais, os danos podem ser irreversíveis. No Brasil há muitos meios de hospedagem que fecharam as portas em definitivo. No Estado ainda não temos notícias disso, mas há empresas agonizando na região do Pantanal, como pousadas, hotéis-fazenda e barcos-hotéis”, explica Mesquita.

Mato Grosso do Sul, segundo ele, tem ao todo 60 companhias no setor vinculadas à ABIH-MS. Como alternativa para superar a crise, estão em contato com o poder público para conseguir aportes que permitam seguir funcionando.

“As grandes redes aguentam, mas não sabemos como será o processo de retomada para os pequenos empreendimentos”, afirma Mesquita. 

Em nota, a assessoria de imprensa da Accor, que administra a rede IBIS, informou que "os hotéis ibis Campo Grande e ibis budget Campo Grande tomaram a difícil decisão de suspender temporariamente todas as operações. Nossa prioridade ainda é a segurança, a saúde e o bem-estar de nossos hóspedes e membros da equipe. Continuamos a monitorar a situação local e globalmente e forneceremos atualizações adicionais quando disponíveis. Nossos pensamentos permanecem com todos os afetados por esse evento no mundo".

A empresa acrescenta que o Novotel Campo Grande, que também está sob alçada da holding, está aberto, aplicando a tarifa solidária para parcerias com hospitais e órgãos do governo, por exemplo, para abrigar profissionais da saúde de modo que eles nao precisem voltar para casa quando o número de casos estourar na cidade.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.