Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Em dois meses, preço dos combustíveis caiu até 17%

Pesquisa do Procon mostra queda no preço de todos os combustíveis, com destaque para o etanol, que no período teve redução da alíquota de ICMS
30/04/2020 08:30 - Súzan Benites


Os preços de todos os combustíveis apresentaram redução no período pós-isolamento social. Antes da pandemia do coronavírus (Covid-19), o litro do etanol, por exemplo, era comercializado a uma média de R$ 3,52. Em abril o litro do combustível é comercializado a R$3 em média, queda de 17,25%.  No débito o litro custava R$ 3,52 e passou para o preço médio de R$ 3,01, em muitos postos, já é encontrado a R$ 2,87.

Levantamento foi realizado pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS), em 122 postos de combustíveis em Campo Grande, no período de 13 a 21 de fevereiro. E em 137 estabelecimentos no período entre 15 e 28 de abril. No caso do etanol, a queda foi mais acentuada porque desde 12 de fevereiro, a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) passou de 25% para 20%, diferentemente da alíquota da gasolina, que era de 25% e agora é de 30%.  

Dados da pesquisa apontam que a gasolina comum, comercializada à vista em dinheiro apresentou queda de 12,35% no comparativo dos bimestres. O preço do litro saiu de R$ 4,43 no segundo mês do ano, para R$ 3,95 em abril. Quando vendida no débito o valor médio caiu de R$ 4,44 para R$ 3,95.

Enquanto a gasolina aditivada (no pagamento em dinheiro) apresentou redução de 11,73%, saindo de R$ 4,59 para R$ 4,11 no período. Para compras no débito o valor do litro era comercializado a R$ 4,60 em fevereiro e neste mês custa em média R$ 4,11.

O litro do diesel S500 reduziu 12,89 no pagamento à vista, tanto para a comercialização em dinheiro quanto no débito. Em fevereiro o litro era vendido a R$ 3,69 e passou a R$ 3,27 em abril. Enquanto o diesel S10 saiu de R$ 3,79 para R$ 3,37, para comercialização no débito e dinheiro, diferença de -12,43%.

De acordo com o superintendente do Procon, Marcelo Salomão, o que mais chama atenção é que o preço vem caindo constantemente. “Tivemos que fazer várias atualizações na pesquisa tendo em vista que os preços estão caindo nos postos. A redução do preço nas refinarias têm sido constantes”, explicou.

Segundo o superintendente a tendência é de que os combustíveis apresentem novas reduções. “O Procon acredita que ainda há a possibilidade de reduzir mais os preços. Tendo em vista que os preços nas refinarias para distribuidoras estão baixos, nós queremos entender porquê que as distribuidoras não conseguem reduzir mais na hora de repassar”, questionou Salomão.

Quando comercializados no cartão de crédito, os combustíveis também apresentaram redução. A gasolina comum passou de R$ 4,57 para R$ 4,08, queda de 11,94%. Já a gasolina aditivada saiu de R$ 4,65 em fevereiro para R$ 4,18 em abril.  O etanol ficou 15,93% mais barato saindo de R$ 3,59 para R$ 3,10. Quando comercializado no cartão de crédito o diesel S500 reduziu de R$ 3,74 para R$ 3,33. Já o diesel S10 saiu de R$ 3,83 para R$ 3,42.

ESTABELECIMENTOS

O Procon analisou ainda a diferença de preços entre os estabelecimentos comerciais visitados durante o mês de abril. A pesquisa aponta variação de 75,32% na comercialização do etanol vendido à vista, em dinheiro e no débito. Enquanto o posto localizado na avenida das bandeiras comercializa o litro por R$ 2,099, o estabelecimento localizado na avenida Marechal Deodoro vende o litro a R$ 3,68.

O litro da gasolina comum comercializado à vista, em dinheiro ou débito, variou 13,82% entre os locais. O menor preço praticado foi de R$ 3,77 em estabelecimento localizado na avenida Três Barras e o maior a R$4,29 no posto da avenida Marechal Deodoro.

A gasolina aditivada é comercializada a R$ 3,87 na avenida Manoel da Costa Lima e a R$ 4,49 na avenida Marechal Deodoro, diferença percentual de R$ 15,98%.

O diesel s500 variou 19,77% entre os locais pesquisados, o preço do litro do combustível foi de R$ 3,07 em posto na avenida Guaicurus, a R$3,68 em comércio da avenida Mascarenhas de Moraes. Já o diesel S10 apresentou variação de 25,20%, sendo comercializado de R$ 3,09 em estabelecimento nos altos da avenida Afonso Pena, a R$ 3,88 em posto da avenida Marechal Deodoro.

 
 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.