Economia

TAXA SELIC

A+ A-

Empresários acham desnecessária alta dos juros

Empresários acham desnecessária alta dos juros

da redação

21/07/2011 - 13h53
Continue lendo...

A Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems) considerou desnecessária a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central de elevar para 12,50% ao ano a taxa básica de juros, a Selic, por considerar que os índices inflacionários já estão sob controle, inclusive com a queda de preços de vários produtos. Além disso, o setor industrial já enfrenta forte concorrência dos produtos importados decorrente da sobrevalorização do real frente ao dólar.

Segundo o diretor-corporativo da Fiems, Jaime Verruck, o impacto negativo dessa medida do Banco Central de aumentar a Selic em 0,25 ponto percentual é a elevação dos custos de financiamento, em especial, do capital de giro. “Essa decisão traz ainda um aumento dos juros ao consumidor final, majorando os custos de crédito para pessoa física, que passa a comprar menos produtos do setor industrial”, pontuou, completando que o Governo Federal precisa adotar imediatamente medidas que amenizem os efeitos do aumento dos juros sobre a competitividade das empresas.

Ele completa que a CNI já se posicionou nesse sentido, reforçando que, quanto mais essas ações demorarem, maiores serão os prejuízos para o Brasil. Por isso, destaca a CNI, a indústria espera a inclusão de medidas efetivas de desoneração tributária na nova fase da política industrial. Os técnicos da instituição lembram que, ao elevar os juros para 12,50% ao ano, apesar a queda no ritmo de aumento dos preços nos últimos meses, o Governo intensifica o uso de instrumentos monetários no combate à inflação.

Economia

Haddad exalta agro, mas cobra mais investimentos para PIB seguir crescendo

Ministro cobrou mais investimentos para 2024. Segundo ele, o governo trabalha para melhorar o ambiente de negócios.

01/03/2024 19h00

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad

Continue Lendo...

O ministro Fernando Haddad exaltou o papel do agro no resultado do PIB de 2023. Haddad diz que a produção agrícola foi um dos fatores que fizeram a economia rodar em 2023. O PIB cresceu 2,9% no período, segundo dados do IBGE divulgados nesta sexta-feira (1º).

Ministro cobrou mais investimentos para 2024. "É a forma mais saudável de crescer porque você não cria risco inflacionário. Aumenta a demanda de um lado, mas a oferta também".

Segundo ele, o governo trabalha para melhorar o ambiente de negócios.

A expectativa do governo para 2024 é um crescimento de 2,2%. Haddad avaliou que o afrouxamento da política monetária deve ajudar a economia, e que há espaço para mais cortes de juros e para mais crescimento.

Precisamos de investimento para fazer a economia rodar. Ano passado não foi investimento, foi produção agrícola, consumo das famílias, consumo do governo, exportações. Isso que puxou [o PIB]. Investimento foi a variável que menos acompanhou essa evolução.

Ministro Fernando Haddad

A economia brasileira se manteve estável e encerrou o ano com crescimento de 2,9%, totalizando R$ 10,9 trilhões. Relatório do FMI de setembro passado estimava que a economia brasileira cresceria 2,1% no ano.
Agro bateu recorde e puxou resultado para cima.

O setor subiu 15,1% entre 2022 e 2023, devido principalmente às lavouras de soja e milho.
 

Balanço

Planejamento: Resultado do PIB corroborou melhoria gradativa de expectativas ao longo do ano

O PIB per capita somou R$ 50 193,72, em valores correntes, um avanço em termos reais de 2,2% em relação a 2022

01/03/2024 17h00

O boletim também observa que o investimento registrou queda de 3,0%, a mais elevada desde o ano de 2016. Agência Brasil

Continue Lendo...

O resultado do PIB em 2023, que registrou avanço de 2,9%, corroborou a melhoria gradativa das expectativas ao longo do ano, de acordo com o boletim Indicadores Econômicos divulgado nesta sexta-feira, 1º, pelo Ministério do Planejamento.

"O crescimento do setor agropecuário foi o destaque no lado da oferta, assim como a continuidade do setor de serviços. Na ótica da demanda, deve-se destacar a elevação do consumo das famílias e do governo", disse a Pasta.

A nota destaca que o desempenho de 2023 é o terceiro ano de crescimento consecutivo após a pandemia da covid-19. " Em 2024, se não houver elevação da atividade em nenhum dos trimestres, o PIB brasileiro, ainda assim, irá crescer aproximadamente 0,2% (o chamado carrego estatístico)", diz o boletim.

A Pasta mencionou a alta de 15,1% da agropecuária, diante do crescimento da produção em várias culturas e ganhos de produtividade no setor, com avanço em várias culturas e ganhos de produtividade.

"Na ótica da demanda, chama a atenção a elevação do Consumo das Famílias (3,1%) - diante da elevação na massa salarial real, arrefecimento da inflação e programas governamentais de transferência de renda, do Consumo do Governo (1,7%) e das Exportações (9,1%)", descreve.

O boletim também observa que o investimento registrou queda de 3,0%, a mais elevada desde o ano de 2016. A taxa de investimento, em relação ao PIB, foi de 16,5% ante 17,8% em 2022 Já a taxa de poupança, que financia o investimento, foi de 15,4% em 2023 ante 15,8% em 2022.

O PIB per capita somou R$ 50 193,72, em valores correntes, um avanço em termos reais de 2,2% em relação a 2022.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).