Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ORÇAMENTO

Mais de 8 mil pessoas saem da lista de endividados em Campo Grande

Comparativo entre os meses de janeiro e fevereiro aponta menos pessoas com dívidas
03/03/2020 18:35 - Súzan Benites


O índice de famílias campo-grandenses endividadas diminuiu quase 3% entre janeiro e fevereiro de 2020. O percentual que era de 61%, em janeiro, passou para 58,1%, em fevereiro. Conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) a queda foi de 8.744 endividados, em janeiro a Capital registrou 189.767 famílias com dívidas e em fevereiro o número caiu para 181.023.

A pesquisa leva em consideração os compromissos mensais como cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimo pessoal, prestações de carro e seguros em Campo Grande e faz parte dos estudos da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo  (CNC).

De acordo com a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS (IPF-MS), Daniela Dias , os dados foram parecidos aos aferidos no ano passado.“O índice se manteve no mesmo patamar de fevereiro de 2019, o que pode ser um indicativo de que os consumidores estão dando preferência ao pagamento de contas à vista. Já os indicadores de inadimplência se mantiveram praticamente estáveis”, explicou.

Houve ligeira redução no índice dos que disseram que têm contas em atraso, de 33,9% a 33,2%, enquanto que os que dizem que não terão condições de pagar se mantiveram em 14,5%.

Os que se consideram muito endividados somam 13,1% dos entrevistados. O principal tipo de dívida informada pelos entrevistados é com o cartão de crédito (66,5%). Seguido de carnês, 20,6% e financiamento de carro (14,4%) e casa (15,8%).

O número de inadimplentes sem condições de pagar as contas se manteve praticamente estável em 14,5% nos meses de janeiro e fevereiro. Em janeiro eram 45.121 pessoas nesta situação, enquanto em fevereiro o número subiu para 45.261.  

NACIONAL

O percentual de famílias com dívidas atingiu em fevereiro, 65,1%, uma redução em relação aos 65,3% do primeiro mês deste ano.  

Houve aumento, no entanto, em relação a fevereiro de 2019, quando o indicador chegou a 61,5%.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.