Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PESQUISA

Mesmo exame de sangue custa entre R$ 18,50 a R$ 310,50 em Campo Grande

Pesquisa do Procon aponta variação de até 1.578% em exames laboratoriais
11/03/2020 17:59 - Glaucea Vaccari


Um mesmo tipo de exame laboratorial custa entre R$ 18,50 a R$ 310,50 em Campo Grande, diferença de R$ 292 e variação de 1.578,38%. É o que aponta pesquisa realizada pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon), divulgada nesta quarta-feira (11).

Foram pesquisados 68 serviços laboratoriais em 11 diferentes laboratórios da Capital. A maior diferença de preço encontrada foi no exame de “atividade de proteína C”, que tem a variação de 1.578,38%.

Exame de curva de insulina pós glicose também chamou a atenção, sendo realizado por R$ 15 em um laboratório e a R$ 180 em outro, diferença de 1.100%.

Menor variação, de 1,30%, foi constatada no exame denominado “Protombina TTPA”, que custa entre R$ 30,80 a R$ 31,20.

De acordo com o superintendente do Procon/MS, Marcelo Salomão, a orientação é que o consumidor pesquise sempre os preços de qualquer produto ou serviço antes da compra. “Pesquisar não é perder tempo, mas  procurar se valer da concorrência para gastar um pouco menos”, afirmou.

Pesquisa foi realizada nos laboratórios Bioclinico (na Padre João Crippa -centro), Labclin (Candido Mariano – centro), Masterlab (Dom Aquino – Vila Cidade), Oswaldo Cruz (Maracaju – centro), Santa Casa (Eduardo Santos Pereira – centro), Ultralab (Barão do Rio Branco – centro), Célula (Júlio de Castilho - Santo Amaro), Sabin (Júlio de Castilho -Vila Alba), Labminei (Rui Barbosa – São Francisco),  Multilab (Mato Grosso – Centro) e Biodiagnostic(Pedro Celestino – centro).

 

Confira aqui a pesquisa completa do Procon

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.