Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REFLEXO

Ibovespa cai 12,5% e paralisa negociação por 30 minutos com “circuit breaker”

Redução dos juros pelo Banco Central americano sinaliza que efeito negativo do coronavírus sobre economia pode ser maior do que o esperado
16/03/2020 09:49 - Natalia Yahn


 

Após abertura aparentemente traquila, a queda do Ibovespa - principal índice acionário brasileiro - acelerou rapidamente no início dos negócios desta segunda-feira (16) e atingiu 12,5%, com 72.321 pontos, acionando o mecanismo de “circuit breaker”, que paralisa as negociações por 30 minutos. As informações são da Revista Exame. A baixa faz parte de uma nova onda de pânico global por conta do avanço da pandemia de coronavírus Covid-19.

O “circuit breaker” é um mecanismo que interrompe as negociações por 30 minutos quando a queda do índice chega a 10% em relação ao fechamento anterior e por uma hora quando a baixa encosta em 15%. O objetivo da medida é esfriar os ânimos na bolsa. Se não adiantar e a baixa chegar a 20%, as transações são interrompidas por um período de tempo a ser definido pela B3. Na semana passada, as transações chegaram a ser interrompidas quatro vezes em meio aos temores dos efeitos do surto de coronavírus sobre a economia mundial.  

A decisão do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, de cortar sua taxa de juros para zero na noite de domingo (15) piorou o humor dos investidores ao sinalizar grande preocupação com esse impacto.

“O corte de juros foi uma surpresa”, diz Luis Sales, analista da corretora Guide Investimentos. “Dá a visão de que o canário é mais negativo do que estava no preço. Isso acabou gerando pânico no mercado, embora as políticas monetárias possam não surtir efeito. Agora, é mais questão fiscal do que monetária.”

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.