Clique aqui e veja as últimas notícias!

SANEAMENTO BÁSICO

Leilão de concessão do Saneamento Básico de Mato Grosso do Sul acontecerá nesta Sexta-Feira

O projeto prevê a universalização do esgotamento sanitário em 68 municípios num prazo de dez anos.
21/10/2020 19:30 - Thais Libni


A Aegea recentemente venceu a concorrência de parceria público-privada (PPP) de Cariacica, no Espírito Santo. 

A empresa já detinha o controle de saneamento de cidades do mesmo bloco, como Vila Velha e Serra, e pode ser a detentora da concessão do esgotamento sanitário de Mato Grosso do Sul.

O leilão para definir qual empresa ficará a cargo do serviço, será realizado na sexta-feira (23), na Bolsa de Valores, B3, em São Paulo.

O projeto da PPP do esgotamento sanitário, idealizado pela gestão estadual, prevê uma  parceria entre a empresa de Saneamento Básico de Mato Grosso do Sul (Sanesul) e um grupo ambiental privado. 

O estudo começou a ser desenvolvido em 2016, sendo concluído em 2019. Em junho deste ano foi aberto o edital para inscrição dos interessados. 

Conforme apurado pelo Correio do Estado, quatro empresas que já atuam no ramo entraram na disputa, sendo elas; Aegea, Andrade Gutierrez, BRK Ambiental e Iguá.

Em nota, a Aegea, que já controla o saneamento de Campo Grande, disse ter muito interesse na concessão, visto que já conhece bem a realidade do Estado.

O contrato de Parceria Público-Privada, da Sanesul será de 30 anos, e a previsão é de que durante este período sejam investidos entre R$ 3,8 bilhões e R$ 4,5 bilhões pela empresa vencedora.

Sendo que desse valor, R$ 1 bilhão será de obras e R$ 2,8 bilhões é de operação e manutenção do sistema de esgoto. A previsão é de que durante esse período de concessão o valor será pago por meio da tarifa do tratamento.

O objetivo do projeto é a universalização do esgotamento sanitário em 98% de cobertura nos 68 municípios do estado, em um prazo de dez anos.

Em nota ao Correio do Estado o diretor-presidente da Sanesul Walter Benedito Carneiro, disse que “atualmente um terço das cidades atendidas pela empresa pública tem menos de 40% da rede de esgoto implantada, porém, a mesma quantidade tem mais de 40%”.

Na contramão disso, alguns municípios menores, mas com grande apelo turístico, chegam a mais de 80% do esgotamento.

Ainda de acordo com Carneiro, “a ideia da PPP é antecipar investimentos que nós sozinhos não conseguiríamos fazer e não existe política pública federal hoje que nos dê condições de captar esse recurso” enfatizou.