Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Lojas de produtos importados são alvos de operação contra sonegação fiscal na Capital

Equipes do Procon, Polícia Civil e auditores fiscais fiscalizam 15 lojas por denúncias de não emissão de cupom fiscal
28/09/2020 10:46 - Alicia Miyashiro, Glaucea Vaccari


Lojas de produtos importados são alvos de operação contra sonegação fiscal, nesta segunda-feira (28), no Centro de Campo Grande.  

Pelo menos 15 empresas são fiscalizadas por equipes da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon), Polícia Civil e Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz).

De acordo com o superintendente do Procon, Marcelo Salomão, a ação está sendo planejada há 15 dias e foi motivada por denúncias de consumidores, principalmente por falta de emissão de notas fiscais nas lojas.  

“Os consumidores reclamaram muito da dificuldade de não emitirem nota fiscal e não poderem realizar a troca de produtos ou a devolução deles”, explicou Salomão.

Em uma das lojas fiscalizadas, na Rua Dom Aquino, foi encontrado um lote de mercadorias aparentemente sem nota. Auditores fiscais verificam se o comércio tem a documentação obrigatória.

Caso sejam encontradas mercadorias sem nota, as empresas podem ser autuadas por sonegação fiscal.

“Sonegação fiscal é crime tributário, se realmente está comprovado que houve, que as mercadorias não estão devidamente comprovadas na Secretaria de Fazenda, eles vão sofrer sanção tributária”, disse o superintendente.

São três equipes realizando as fiscalizações simultaneamente, todas em lojas do centro da Capital e apenas nas que vendem produtos importados. 

Equipes verificam preços, validade e documentação dos produtos, além do alvará de funcionamento dos estabelecimentos.  

Conforme Salomão, mesmo que o alvará esteja vencido, o objetivo não é interditar os comércios.

Mercadorias irregulares serão apreendidas e os proprietários ficarão como fieis depositários, com prazo para apresentar defesa e justificativas, podendo reaver os produtos.

Além do Procon e Sefaz, participam da operação a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra as Relações de Consumo (Decon) e a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações, Falsificações, Falimentares e Fazendários (Dedfaz).  

 
 

Felpuda


Falatório e atitude de membro da família acenderam a luz vermelha no “QG” de candidato, pois poderão causar muitos estragos. 

A tropa de choque de defensores do candidato a prefeito já foi colocada em campo e só falta falar que os genes de ambos são diferentes. 

E com relação ao dito-cujo, sabe-se que deverá ser orientado a “baixar a bola” nos próximos dias, mais precisamente até o término da campanha eleitoral.

Afinal...