Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DURANTE A PANDEMIA

Mato Grosso do Sul é estado com menos trabalhadores em regime de home-office

Levantamento do IBGE registra queda na porcentagem de pessoas afastadas devido a pandemia no estado
23/09/2020 18:28 - Ana Karla Flores


A pandemia de coronavírus resultou no afastamento de muitas pessoas do trabalho presencial. Mato Grosso do Sul ocupou a menor porcentagem de pessoas afastadas do emprego devido ao distanciamento social no país em agosto. O estado também registrou aumento de 3,1% de pessoas ocupadas informalmente em relação ao mês de julho.

De acordo com pesquisa elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quarta-feira (23), o percentual de pessoas afastadas no estado ficou em 2,5%. Em agosto 1,2 milhões de pessoas estavam ocupadas e 30 mil estavam afastadas devido ao distanciamento social decorrente do coronavírus. Em relação à julho houve queda de 20 mil pessoas afastadas.

Em seguida no índice do país está o Paraná com 3,3% e Santa Catarina, que conta com o mesmo porcentual. No Centro-Oeste, Mato Grosso do Sul está na frente de Mato Grosso, com 4,1% e de Goiás que registrou um percentual de 5,1% de indivíduos afastados do emprego presencial.

Segundo IBGE houve aumento no número de horas trabalhadas para pessoas ocupadas. A média de horas efetivas trabalhadas em julho era de 35% e em agosto subiu para 36h. Essa alta reflete a retomada gradual das atividades.

 

Trabalho informal em MS

O IBGE divulgou também o número de pessoas ocupadas informalmente em Mato Grosso do Sul. Com base no percentual de pessoas ocupadas como trabalhadores informais em relação ao total de pessoas ocupadas, o estado contou com 32,2%, cerca de 392 mil pessoas nesta situação em agosto.  

A porcentagem em julho era de 32,1%, o que representa um aumento de 3,1%. O estado ficou na segunda posição na região Centro-Oeste com um percentual de 33,9% no Brasil.

 
 

Felpuda


Falatório e atitude de membro da família acenderam a luz vermelha no “QG” de candidato, pois poderão causar muitos estragos. 

A tropa de choque de defensores do candidato a prefeito já foi colocada em campo e só falta falar que os genes de ambos são diferentes. 

E com relação ao dito-cujo, sabe-se que deverá ser orientado a “baixar a bola” nos próximos dias, mais precisamente até o término da campanha eleitoral.

Afinal...