Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INVESTIMENTO

MS teve recorde de repasse do Ministério da Saúde em 2019, diz governador

Mandetta estima que valor foi de cerca de R$ 400 milhões entre verba e equipamentos
17/02/2020 14:06 - Daiany Albuquerque


O ano de 2019 foi o que teve o maior investimento por parte do Ministério da Saúde para Mato Grosso do Sul na história, declarou o governador do Estado Reinaldo Azambuja (PSDB) durante evento em que o ministro Luiz Henrique Mandetta repassou 80 equipamentos para 42 municípios do Estado.

De acordo com o ministro da Saúde, durante 2019 até agora a estimativa é de que cerca de R$ 400 milhões em recursos financeiros e físicos tenham sido encaminhados para o Estado.

“Toda ajuda é bem-vinda. Este ano nós tivemos talvez o maior volume de recursos disponíveis do Ministério (da Saúde) a Mato Grosso do Sul, para equipamentos dos nossos hospitais regionais, para equipar polos regionais que estão em construção, para apoio aos municípios e aos hospitais municipais, e recursos principalmente para organizar a reestruturação da nossa atenção na especializada”, declarou o governador.

 
 

O ministro afirma que, conforme a programação da pasta, agora serão investidos recursos para terminar o Hospital Regional de Dourados. “Vamos concluir e equipar esse ano o Hospital Regional de Três Lagoas também. A região sudoeste necessita iniciar uma discussão para se dar uma solução. Além disso eles precisam de equipamentos, são muitos anos sem estrutura. A rede do Estado precisa melhorar. Então o total de investimentos eles vão gradativamente aumentando”.

 
 

Durante a cerimônia o Ministério da Saúde entregou 80 equipamentos, são 52 monitores de sinais vitais e 28 cardioversores (desfibriladores), que foram entregues para 42 cidades, sendo que 12 vieram para Campo Grande (10 e 2 respectivamente).

As outras cidades que receberão os equipamentos serão: Alcinópolis, Amambaí, Anaurilândia, Antônio João, Aquidauana, Bandeirantes, Batayporã, Bonito, Campo Grande, Caracol, Corguinho, Coronel Sapucaia, Corumbá, Costa Rica, Deodápolis, Dois Irmãos do Buriti, Douradina, Dourados, Fátima do Sul, Figueirão, Glória de Dourados, Ivinhema, Japorã, Jaraguari, Jardim, Jateí, Juti, Laguna Carapã, Novo Horizonte do Sul, Paraíso das Águas, Paranhos, Pedro Gomes, Porto Murtinho, Rio Negro, Rochedo, Santa Rita do Pardo, Selvíria, Sete Quedas, Tacuru, Taquarussu, Terenos e Vicentina.

Segundo o Ministério da Saúde, os monitores são usados em remoção de pacientes ou em Unidades de Tratamento Intensivos (UTI), semi-UTIs ou pronto-socorro. Na Capital os equipamentos serão enviados para dez centros médicos, entre Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Centros Regionais de Saúde (CRSs), segundo o titular da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), José Mauro de Castro Filho.

 

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!