Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PESQUISA

Não é só o arroz que está caro: frutas, verduras e legumes têm variação de até 470%

Quilo do mesmo item de hortifrúti custa entre R$ 3,49 e R$ 19,90 em estabelecimentos da Capital
18/09/2020 11:58 - Glaucea Vaccari


Além do preço do arroz, que teve alta em todo o País, o consumidor também deve ficar atento e pesquisar antes de comprar itens de hortifrúti, que tem variação de até 470% em Mato Grosso do Sul. (Veja pesquisa completa abaixo).

Pesquisa da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS) foi realizada em 25 estabelecimentos que vendem hortifrutigranjeiros em Campo Grande e encontrou uma grande diferença nos valores de frutas, verduras e legumes.  

A principal variação encontrada foi no preço da goiaba vermelha, onde o quilo custa R$ 3,49 em um supermercado e R$ 19,90 em outro, diferença de R$ 16,41 no preço do mesmo produto.

Outra diferença considerável é no valor do abacaxi do tipo Havaí, que custa de R$ 1,99 a R$ 8,90, variação de 374,21%.  

Manga Tommy tem variação de 331,44%, comercializada entre R4 2,99 o quilo a R$ 12,99 entre os estabelecimentos da Capital.

O item com menor índice constatado é a maça nacional, que custa R$ 6,90 no local mais barato e R$ 8,90 no mais caro.  

Entre as verduras, alface-crespa é vendida entre R$ 1,39 e R$ 3,49 o maço, enquanto o agrião custa de R4 2,75 a R$ 5,99 o maço.

Comerciantes afirmaram ao Procon que o preço elevado dos itens não é culpa deles e que os valores para aquisição junto aos produtores se eleva em função de vários fatores.

Atualmente, eles alegam que o aumento é devido as altas temperaturas que causam perda, além da alta na procuta, que dificulta a oferta.  

Levantamento de preços foi realizado entre os dias 31 de agosto e 15 de setembro, com verificação dos valores de 75 produtos.  

 

Confira a pesquisa completa de produtos hortifrutigranjeiros

 
 

Felpuda


Entre sussurros, nos bastidores políticos mais fechados, os comentários são que história apregoada por aí teria sido construída para encobrir o que realmente foi engendrado em conversa que resultou em negociata. 

O script foi na base do “você finge que é assim, e nós fingimos que acreditamos”. 

Batido o martelo, a encenação prosseguiu e, conforme o combinado, deverão ser apresentados novos episódios.

Ah, o poder!