Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

QUARTA PARCELA

Beneficiários do Bolsa Família já podem sacar auxílio

Mais de 190 mil pessoas receberam a segunda parcela em Campo Grande
22/07/2020 12:03 - Gabrielle Tavares


Mais de 20 mil famílias que integram o Bolsa Família, e estão previstas a receber o recurso do Auxílio Emergencial, já podem sacar a 4º parcela do benefício.  

O pagamento dos recursos segue o calendário habitual do Bolsa Família para todos os integrantes do programa, conforme o último número do NIS (Número de Identificação Social). 

Todo o calendário dos saques já está definido.

Em maio deste ano, 190.953 pessoas foram contempladas com a segunda parcela do Auxílio Emergencial em Campo Grande. Do total, 36.902 são beneficiárias do Bolsa Família, totalizando R$22.141.200,00 de recursos transferidos.

Foram 90.064 que fizeram a solicitação pelo aplicativo ou site da Caixa Econômica Federal, que resultou no valor de R$54.038.400,00 transferidos. 

Já as que estão cadastradas no Cadastro Único foram 63.987, totalizando R$38.392.200,00 recursos transferidos.

Desses, 100.889 pessoas estão diretamente vinculadas a Secretaria Municipal de Assistência Social (Bolsa Família e Cadastro Único) e juntos receberam R$60.533.400,00.

Antes da pandemia a transferência de recursos financeiros era, em média, de R$4.464.401,00 aos beneficiários do Bolsa Família e cerca de R$30.402.185,00 aos beneficiários do Benefício de Prestação Continuada – BPC, totalizando R$34.866.586,00, por mês.

As pessoas que tiveram o pedido de auxílio recusado e não concordam com o resultado, podem realizar a contestação do resultado pela Defensoria Pública da União (DPU).

Não é necessário se dirigir a nenhuma agência da Caixa, lotérica ou posto de atendimento do Cadastro Único, incluindo os Cras.

O atendimento da DPU é das 8h às 14h, fica localizado na rua Dom Aquino, 2350, Salas 1-6 e 12-19 – Centro. É possível entrar em contato pelo telefone (67) 3311-9850, ou (67) 98114-1615.

 
 

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!