Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REDUÇÃO

Páscoa injetará R$ 136 milhões na economia Estadual

Queda de 25% em relação ao ano passado que foi impactada pelo coronavírus
19/03/2020 14:45 - Súzan Benites


 

Levantamento de intenção de compras para o período de Páscoa, aponta que o sul-mato-grossense pretende gastar R$ 136,08 milhões este ano, uma queda de 25% em relação ao ano passado. Conforme a pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio (IPF-MS) e Sebrae MS, a ocorrência do coronavírus pode ter contribuído para essa queda no percentual.  

O montante leva em conta a compra de ovos de páscoa e bombons, viagens, gastos com alimentação e bebidas e outras comemorações relacionadas ao período.

“Fizemos duas estatísticas, uma pesquisa no início de março e uma sondagem no dia 17 (terça-feira passada) e as estimativas de movimentação financeira em relação as datas iniciais caíram 9%. Vale lembrar que as pessoas são movidas por expectativas e do início do mês até o momento houve impactos sociais e financeiros com o Codiv-19 ”, explica a economista do IPF-MS, Daniela Dias.

Dados do levantamento apontam ainda, que a intenção de gastos com chocolates e artigos pascais é de R$ 95,47 milhões , queda de 10% em relação ao ano passado, e as despesas com comemorações são estimadas em R$ 40,61 milhões (queda de 47%). “Entre a primeira e a segunda pesquisa, já com a pandemia em instalação no nosso País, a queda foi de 3% sobre a intenção de compras de chocolates e afins, e de 20% acerca das comemorações”, informa Daniela.

PERFIL DOS GASTOS

O valor médio que será gasto com artigos pascais será de R$ 112,76, número 14% menor que em 2019. A pesquisa mostra ainda que os homens estão propensos a gastar mais do que as mulheres, este ano. “A pesquisa também detectou que 46% das pessoas comprariam ovo da Páscoa, independentemente do aumento do preço. Esse índice é 10% maior do que o apresentado no ano passado”, diz a economista.

Outro dado que sugere estar em evidência por causa da crise com o Covid-19 é que 47% afirmam que pretendem não procurar os artigos em lojas físicas.

Entre os entrevistados, 34% da população dizem que vão comprar até dois presentes, sendo os presenteados: filho(a) em 32% dos casos, e a mãe será a homenageada em 13%.

Já os que pretendem comemorar a Páscoa são 23%, a maioria afirma que ficará em casa e os gastos serão por conta da alimentação (83%) e de bebidas (33%). O peixe não poderá faltar na mesa, segundo 47% dos entrevistados, seguido pela carne para o churrasco (16%) e cerveja (9%).

Como estratégia para não sofrer com a redução das vendas, a economista sugere que o comerciante invista nas redes sociais, no e-commerce e também nas entregas em domicílio para otimizar as vendas a distância. “Transmita confiança ao consumidor sobre os procedimentos preventivos, mostre os bastidores de como são feitos seus produtos até a entrega, otimize alternativas que possam levar entretenimento e lazer para casa”, contextualizou Daniela.

A pesquisa de intenção de consumo para a Páscoa foi realizada entre os dias 2 e 10 de março, com 1.692 pessoas e refeita dia 17 de março, com 150 pessoas nas cidades de Campo Grande, Corumbá, Dourados e Três Lagoas. É uma parceria entre IPF MS, Fecomércio MS e Sebrae MS.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.