Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Percentual de famílias inadimplentes no país sobe para 22,4%, diz CNC

Percentual de famílias inadimplentes no país sobe para 22,4%, diz CNC
25/08/2015 13:58 - AGÊNCIA BRASIL


 

O percentual de famílias inadimplentes cresceu em agosto deste ano, de acordo com a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada hoje (25) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Segundo o levantamento, 22,4% das famílias têm dívidas ou contas em atraso.

O percentual de inadimplentes supera o de julho deste ano (21,5%) e o de agosto do ano passado (19,2%). A taxa de agosto deste ano é a maior desde julho de 2013, quando foi observado o mesmo percentual (22,4%).

Em média, o tempo de atraso das dívidas é de 60,9 dias. A pesquisa mostrou ainda que as famílias que não terão condições de pagar suas contas ou dívidas somam 8,4% do total neste mês, percentual também superior ao de julho deste ano (8,1%) e ao de agosto do ano passado (6,5%).

A CNC também mostrou que o percentual de famílias endividadas, mas não necessariamente com dívidas ou contas em atraso, chegou a 62,7% em agosto deste ano, superior aos 61,9% do mês anterior, mas abaixo dos 63,6% de agosto de 2014.

A maior parte das dívidas é com cartão de crédito (77,7%), carnê (16,5%) e financiamento de carro (13,9%).

*Matéria alterada às 11h32 do dia 25/07/15 para corrigir informação. Diferentemente do que o texto informava, a taxa de inadimplência de agosto deste ano é a maior desde julho de 2013, e não de setembro.

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!