Clique aqui e veja as últimas notícias!

INADIMPLÊNCIA

Por mês, 100 imóveis são retomados pela Caixa por falta de pagamento

Estimativa corresponde a 1,2 mil imóveis retomados anualmente no estado
03/03/2017 19:14 - RENATA PRANDINI


 

Casos de inadimplência geram média de 100 retomadas de imóveis financiados pela Caixa Econômica Federal (CEF) por mês em Mato Grosso do Sul. A estimativa, que corresponde a 1,2 mil imóveis retomados anualmente em todo o Estado,  foi apresentada na tarde de hoje, pelo superintendente da Caixa no Estado,  Evandro Narciso Lima. 

De acordo com ele, o índice é considerado pequeno diante da média de notificações mensais realizadas pelo banco por não pagamento de financiamentos imobiliários. Em média, são de dois mil a 2,5 mil novas notificações a cada 30 dias. “Trata-se de um processo muito dinâmico. Em que muitos se regularizam e outros passam a ingressar a lista de inadimplência. Mas, na maioria dos casos, a população procura se regularizar quando intimadas. Então, é menos de 5% que chegam nessa situação de retomada do imóvel”, destacou Lima.

Esse índice, explicou o superintendente, tem se mantido estável e não foi influenciado pela crise econômica nacional. Ainda segundo dados apresentados no evento, a inadimplência nos financiamentos habitacionais fechou o ano passado em 1,32%. No mesmo período de 2015, ele chegava a 1,89%. 

NOVO SISTEMA

O superintendente participou, na tarde de hoje, do lançamento de parceria com a Associação dos Notários e Registradores de Mato Grosso do Sul (Anoreg/MS) que visa tornar o processo de notificação de inadimplentes mais ágil. Na ocasião, a Caixa assinou convênio com a Central Eletrônica de Registros de Imóveis (Ceri), criado pela Anoreg em dezembro do ano passado. 

Atualmente, pelo sistema utilizado pela Caixa, as notificações  demoram até 360 dias para chegar a até o inadimplente. Com essa parceria, a expectativa é que o projeto seja concluído em cerca de 180 dias. 

“Esse novo sistema é dinâmico, traz maior segurança, e ainda reduz a emissão de papéis e outros insumos das notificações que são feitas. Com isso, nós estimamos também uma economia de 50% com o custo que tínhamos anteriormente”, estimou o superintendente.

Evandro Lima reforçou que essa mudança no processo de notificação não irá influenciar, no entanto, no andamento dos processos. “Essa mudança não muda em nada o processo. Apenas a notificação deixa de ser manual e passa a ser eletrônica. Todos os princípios legais serão respeitados pela Anoreg”, completou o superintendente.

Conforme Juan Pablo Correa Gossweiller, da Anoreg, o novo sistema começa a operar na próxima segunda-feira. “Antes, tudo era feito manualmente. Agora, essas 2 mil notificações serão feitas digitalmente para todos os cartórios do Estado. Isso agiliza muito esse processo”