Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SERVIDORES MUNICIPAIS

Prefeitura garante pagamento do 13º salário no dia 20

Secretário diz que montante para pagamento está quase 100% arrecadado
06/12/2019 08:40 - SÚZAN BENITES


 

A Prefeitura de Campo Grande garantiu que já tem dinheiro para o pagamento do 13° salário dos servidores municipais. Conforme a gestão municipal, o pagamento da gratificação natalina será feito no dia 20 de dezembro.

De acordo com o secretário municipal de Planejamento e Finanças, Pedro Pedrossian Neto, os R$ 101 milhões necessários para o pagamento da folha de dezembro já foram quase 100% arrecadados. Um dos aportes esperados era o fechamento do Programa de Pagamento Incentivado (PPI), conhecido como Refis, em sua edição de Natal. A prefeitura aguardava arrecadar R$ 10 milhões com a ação. “Chegamos a R$ 10,2 milhões e até o fechamento da campanha [ontem] esperamos que sejam arrecadados mais R$ 3 milhões”, informou.

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), havia declarado que seriam necessários R$ 90 milhões para pagar o 13º salário dos servidores municipais e que estaria com dificuldades para juntar o recurso para depositar o valor dos, aproximadamente, 24 mil funcionários. “Nós estamos juntando, muito embora tenha diminuído nosso Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços  [ICMS], de 25% para 18%, e os repasses do governo federal também, todos eles foram diminuídos, e como a taxa de inadimplência do  Imposto Predial e Territorial Urbano [IPTU] subiu, estamos fazendo economia de casa para honrar as nossas obrigações”, justificou o prefeito, durante coletiva de lançamento do plano de segurança do centro da Capital.

Mesmo com a diminuição da receita, o prefeito garantiu que vai conseguir pagar. “Nós vamos cumprir a lei, mas se tivermos condições de antecipar, dependendo do que a gente for arrecadar com o Refis, a gente antecipa”, declarou.

REFIS

No período da tarde de ontem, contribuintes faziam fila debaixo de chuva e esperavam até 4 horas para renegociar as dívidas do IPTU com o Executivo municipal.

A Central do IPTU, localizada na Rua Arthur Jorge, nº 500, estava abarrotada de pessoas, mesmo durante a chuva, no início da tarde desta quinta-feira. De acordo com a aposentada Maria de Lurdes Santos, 58 anos, sua espera começou às 10h. “Eu cheguei às 10h e graças a Deus consegui resolver tudo agora [às 14h]. Eu só acho que deviam prorrogar por mais uns dias, porque tem muita gente ainda para resolver as dívidas”.

Outra que chegou ainda no período matutino foi a babá Waldinete Souza, 48 anos. “Eu deixei para o último dia porque queria que ficasse mais perto do dia em que recebo meu salário. Mas mesmo assim não deu certo, pois terei de pagar todo dia 5 e só recebo depois desse dia.  Pelo menos eu consegui negociar o parcelamento”, afirmou.

O aposentado Carlos Mourão, 63, acredita que deveria ser aberto um meio de fazer os trâmites pela internet. “Deviam liberar para resolvermos pela internet, assim quem tem acesso resolveria as coisas sem precisar enfrentar a fila”, disse.
Entre os que aguardavam o atendimento, o autônomo Kilvio Nantes, 40, chegou às 12h40min. “Já peguei a senha, mas ainda deve demorar. Minha senha é 798 e estão no número 500 ainda. Eu vim hoje porque vendi uma casa e não sabia que tinha IPTU atrasado, hoje que me avisaram”, considerou.

A zeladora Odete Moreira Garcia, 55, disse que aguardava receber o salário para ir até a central. “Não temos outra opção né? Vou esperar para pagar o IPTU parcelado. Apesar de o imposto estar muito caro, temos que pagar”, lamentou.
Já o pastor Cícero Chagas Oliveira, 56, afirmou que estava no local fazendo um favor. “Minha sobrinha precisa pagar o ISS dela e não tinha como vir até a central, eu peguei uma autorização e vim ficar aqui”. 

Felpuda


Os bastidores fervem com a ciumeira que vem acontecendo em alguns municípios, onde determinados candidatos estariam sendo mais prestigiados que outros depois das alianças que foram formalizadas nas convenções. As queixas só aumentam, e as lideranças partidárias já não sabem o que fazer, temendo a possibilidade de que a vitória vá para o ralo. A bronca maior está entre integrantes das chapas puras de vereadores que se coligaram na majoritária. E salve-se quem puder!