Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FISCALIZAÇÃO

Procon flagra produtos vencidos e sem preços em farmácias da Capital

Estabelecimentos forma notificados e podem ser multados
09/03/2020 10:25 - Ricardo Campos Jr


 

Produtos vencidos, sem preços, informações incompletas. Estas foram algumas das irregularidades encontradas pelo Procon ao fiscalizar diversas farmácias em Campo Grande no decorrer da semana passada. Os resultados só foram divulgados pelo órgão nesta segunda-feira (9).

Os estabelecimentos pertencem a grandes redes de drogarias presentes na cidade. Em dois dias, os agentes percorreram sete unidades, mas de acordo com o superintendente do órgão de defesa do consumidor, Marcelo Salomão, as batidas continuam.

Uma das falhas mais comuns é a apresentação de produtos sem os valores nas prateleiras de autoatendimento.

Toucas de banho, polivitamínicos, escovas de dente, tipoia estofada para imobilização de braço, protetor labial, lenços umedecidos e chupetas não estavam acompanhadas pelos respectivos preços, podendo levar os clientes ao erro.

Em uma das farmácias foram apreendidas 10 latas de compostos lácteos, seis cereais infantis e farinhas lácteas vencidas. Além dos alimentos, outros itens como desodorantes, hidratantes e colônias estavam expiradas.

Nas filas, houve desobediência à lei que manda avisar claramente aos clientes sobre as preferências de atendimento, omitindo-se a informação de que autistas têm que ser atendido primeiro, assim como idosos, gestantes, deficientes e pessoas com crianças de colo.

Outra falha: alguns estabelecimentos não tinham cópia do Código de Defesa do Consumidor e não orientavam os fregueses sobre devolução de troco em espécie.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.