Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SERVIDORES

Procon vai fiscalizar bancos sobre suspensão de consignados

Lei suspendeu por 90 dias cobranças de empréstimos na folha de pagamento de servidores estaduais
13/05/2020 15:32 - Súzan Benites


O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), sancionou lei que suspende a cobrança de parcelas de empréstimos consignados descontados de salários de servidores ativos e inativos por 90 dias.  A Superintendência Para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-MS) vai fiscalizar se os bancos estão cumprindo as determinações da Lei, que foi publicada dia 5 de maio no Diário Oficial. 

A Superintendência encaminhou notificações às superintendências das instituições bancárias. Entre os esclarecimentos solicitados, o Procon Estadual quer saber se a equipe de funcionários e demais colaboradores foram devidamente orientados das informações corretas quanto à suspensão dos empréstimos consignados e se estes estão cientes de que o objetivo da lei é  proporcionar um “fôlego financeiro” aos servidores públicos de Mato Grosso do Sul.

A superintendência Para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-MS) ainda questiona se as instituições têm agido com transparência sobre  quais as implicações e quais os encargos financeiros incidentes sobre a operação que implique em suspender pelo prazo de 90 dias, como também o cumprimento das obrigações financeiras referentes aos empréstimos consignados. E ainda, o levantamento de quantas agências em atividade foram orientadas e qual quantidade de contratantes que aderiram à suspensão temporária dos descontos até a data.

Segundo o Procon, as notificações foram entregues às  superintendências do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Sicredi, Itaú, Bradesco, e Santander. O documento estabelece prazo de dez dias, a partir de segunda-feira  (12),  para os bancos se manifestarem. 

LEI

A lei concede suspensão pelo prazo de 90 dias, podendo ser prorrogado por igual período ou enquanto durar o estado de calamidade pública. Conforme o texto, a medida visa oferecer alívio em meio à crise causada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

As parcelas que não forem quitadas nesse período serão adiadas para o fim do contrato. A Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização (SAD) vai orientar e acompanhar os interessados, intermediando a negociação entre servidor ou aposentado com a instituição financeira. Por outro lado, o interessado deverá formalizar por meio de requerimento por escrito que se responsabiliza por encargos financeiros futuros.

Desde o início de abril, o governo vinha orientando os servidores ativos e inativos a procurar as instituições financeiras para renegociarem empréstimos. O Banco do Brasil (BB) já havia estendido o prazo de pagamento em seis meses, a pedido do Estado.

Conforme dados divulgados em março pela Superintendência de Gestão da Folha de Pagamento, órgão vinculado à SAD, existem mais de 50 mil operações de crédito dos funcionários ativos, o que representa R$ 29,3 milhões em empréstimos. Já os aposentados contrataram 42,5 mil operações de crédito, totalizando R$ 32,1 milhões.

 

Felpuda


Como era de se esperar, as pesquisas mexeram nos ânimos de candidatos, principalmente daqueles que apareceram com índices pífios.

E assim, muitos deles certamente darão novo rumo às suas campanhas eleitorais.

A maioria, é claro, tenta mostrar otimismo, e o que mais se ouve por aí é que “agora o momento será de virada”.

Como disse atento e irônico observador: “Tem gente por aí que poderá virar, sim. Mas virar gozação!”. Ui...