Clique aqui e veja as últimas notícias!

RITMO

Produção de grãos segue normal durante pandemia

Em Mato Grosso do Sul, setor produtivo ainda se preocupa com possibilidade de geadas que podem atingir milho safrinha
23/03/2020 08:00 - Súzan Benites


Para conter a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), os governantes têm determinado interrupção dos contatos sociais e paralisado todas as atividades – no Brasil e no mundo. Mas assim como hospitais, supermercados e farmácias, o setor produtivo também não vai parar suas atividades.

Toda a cadeia produtiva de alimentos já se manifestou, assegurando que, para não haver desabastecimento, continuará em produção. Segundo a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), os produtores rurais brasileiros continuarão produzindo normalmente, assim como o setor produtivo de Mato Grosso do Sul.

De acordo com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina Dias, que publicou em suas redes sociais, o Mapa está atento à segurança dos trabalhadores. “O agro está produzindo para garantir cada dia mais uma alimentação mais saudável para todos nós. Agradeço a todos os trabalhadores da nossa cadeia produtiva. O ministério está acompanhando os elos das cadeias produtivas, para que não seja interrompido o fluxo de produção dessas mercadorias”, disse.

Por meio de nota, a CNA informou que espera que o governo assegure que a cadeia de abastecimento seja protegida e seu funcionamento garantido, com regras adequadas e com o suporte econômico que for necessário.

O que ainda preocupa o setor produtivo de MS são as adversidades climáticas que podem atingir a segunda safra 2019/2020. A escassez de chuvas no período do plantio da soja safra 2019/2020 gerou um atraso que postergou o início da semeadura do milho e pode levar a safrinha a enfrentar problemas.

O presidente da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja-MS), André Dobashi, destaca que, com média de 14 a 21 dias de atraso no plantio da soja, o milho safrinha pode enfrentar geadas. “Segundo a Embrapa, há expectativas de geada em junho de 2020, com probabilidade de 74% dessa geada ser forte, o que prejudicaria a produtividade de milho na segunda safra em Mato Grosso do Sul”, explicou.

Para o ciclo 2019/2020, de acordo com o Boletim Casa Rural, elaborado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), é estimada redução na área plantada em aproximadamente 9,02%, passando de 2,173 milhões (na safra anterior) para 1,977 milhão de hectares.

“A demora no plantio em todas as regiões do estado leva a uma estimativa de manutenção ou mesmo pequena redução com relação à área do ano passado”, disse Dobashi.

Com base nas informações levantadas pelo Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga) , até o dia 13 de março já havia 71,2% da área de milho semeada. A área plantada até o momento, conforme estimativas do Projeto Siga, é de aproximadamente de 1,408 milhão de hectares.

SOJA

Mesmo com os problemas enfrentados no início do plantio, a safra de soja 2019/2020 deve ser recorde em MS. Com produção estimada em 10,573 milhões de toneladas e produtividade média de 55,7 sacas por hectare.

Segundo dados do Aprosoja, inicialmente a previsão era de colher 9,9 milhões de toneladas de soja, com produtividade de 52,1 sc/ha.

Na comparação com a safra 2018/2019, a produção de soja em MS deve alcançar 20,15% de aumento na safra 2019/2020, com 6,18% de expansão na área plantada. Nesse período, o Estado produziu 8,605 milhões de toneladas.