Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

RECORDE

Mesmo com pandemia, produção industrial alcança melhor resultado desde setembro de 2010

No último mês, 89% das empresas industriais do estado apresentaram estabilidade ou aumento
21/10/2020 19:50 - Brenda Machado


Mesmo com a pandemia do novo coronavírus instalada desde o fim do primeiro trimestre, Mato Grosso do Sul apresentou um número record em relação à produção industrial.

O mês de setembro fechou com 57,1 pontos, sendo o melhor índice já registrado desde fevereiro de 2010, quando a série começou a ser checada.

O levantamento foi feito pelo Radar Industrial da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (FIEMS), e contou com a participação de 63 empresas.

De acordo com o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, ao todo, 89% das empresas industriais de MS apresentaram estabilidade ou aumento na produção.

Deste número, 47% permaneceram estáveis e 42% tiveram crescimento.

"Comparando com o mesmo mês do ano passado, essa participação foi superior em 14 pontos percentuais. Com esse desempenho, o índice de evolução da produção fechou setembro de 2020 com crescimento de 8 pontos na comparação com igual mês do ano anterior e de 8,4 pontos sobre a média histórica obtida para o mês”, disse ele,.

Já quando o assunto é a utilização da capacidade instalada, o índice foi o melhor dos últimos 6 anos.

"Em setembro, 73% dos respondentes disseram que a utilização da capacidade instalada ficou igual ou acima do usual para o mês. Já o patamar médio de utilização da capacidade total ficou em 74%.", destacou o coordenador.

O número representa uma alta de 2 pontos percentuais.

E Ezequiel continua, "O indicador de uso efetivo em relação ao usual fechou o mês de setembro em 53,0 pontos, resultado 9,2 pontos acima da média histórica obtida para o mês.".

 
 

Diferente de meses atrás, já no terceiro trimestre de 2020, 77,4% dos empresários classificaram o lucro operacional obtido como bom ou satisfatório.

O indicador da margem alcançou os 51,7 pontos.

No todo, 87% dos entrevistados consideraram bom ou satisfatório a situação da empresa num aspecto geral.

Porém nem todos os números soaram otimistas, 21% dos industriais consideraram difícil o acesso ao crédito, contra o 24,2% dos participantes que responderam não ter buscado o recurso.

Do indicativo geral, 83% afirmaram um aumento nos preços das matérias-primas utilizadas, ponto ressaltado pelo economista da FIEMS.

“Também estão incluídas nessa lista a falta ou alto custo de trabalhador qualificado, falta de capital de giro, demanda interna insuficiente, falta de financiamento de longo prazo e insegurança jurídica”, lembrou Ezequiel.

 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!