Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

ECONOMIA

Restam R$ 45 bi para pagamento em parcelas do auxílio emergencial, diz secretário

Secretário do ministério evitou responder sobre qual será a solução do governo para o fim do auxílio emergencial a partir de janeiro
17/11/2020 14:00 - Estadão Conteúdo


O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, destacou nesta terça-feira, 17, que ainda restam R$ 45 bilhões a serem pagos em parcelas do auxílio emergencial a trabalhadores informais, desempregados e beneficiários de programas sociais. 

"Isso nos dá muita convicção de que a economia terá a necessária tração para fechar 2020 e entrará bem em 2021. Passo a passo iremos caminhar com um crescimento cada vez maior e mais sustentável", projetou.

Segundo Sachsida, se esse valor foi somado ao que foi poupado do auxílio emergencial pelas famílias e ao potencial de saques do FGTS, chega-se a um volume de cerca de R$ 110 bilhões que ainda podem entrar na economia. 

"É um volume expressivo de recursos de hoje até janeiro", completou.

Acompanhe as últimas notícias do Correio do Estado

Decisão

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia evitou responder sobre qual será a solução do governo para o fim do auxílio emergencial a partir de janeiro e não citou a criação de um novo programa social.

"Questões sobre auxílio emergencial e Bolsa Família são decisões que cabem ao presidente da República", respondeu.

"Acho que o crédito também é um caminho. Toda a literatura mostra a importância dos canais de crédito para a retomada econômica", completou o secretário.

Gastos

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia repetiu a avaliação de que, em cenário de elevada relação dívida/PIB como a brasileira, a elevação do gasto público reduz o crescimento econômico.

"Na situação que o Brasil se encontra hoje, se gastarmos muito o crescimento diminui. Se o governo gastar muito agora, o PIB cai, a inflação aumenta, os juros aumentam, o investimento cai e o desemprego aumenta. A consolidação fiscal está no melhor interesse da população, principalmente dos mais pobres", defendeu ele.

Sachsida listou a propostas de reformas enviadas pelo governo ao Congresso Nacional para argumentar que o lado fiscal da economia estaria corretamente endereçado.

 
 

Felpuda


Outrora bons de votos – faziam adversários temerem o confronto nas urnas –, agora, por mais que tentem, alguns políticos não conseguem, nem de longe, alcançar patamar de outros tempos e voltar ao que eram. 

O pior é que, a cada disputa, a preferência popular só vem diminuindo. Neste ano, a eleição municipal demonstrou que muitos já estão com prazo de validade vencido e rótulo gasto.

E faz tempo, hein?!