Clique aqui e veja as últimas notícias!

LOGÍSTICA

Rota Bioceânica deve ampliar a produção da agricultura familiar do Estado

São 35 assentamentos rurais, com 5.676 famílias, nas cidades alcançadas pelo Corredor
29/12/2020 08:30 - Súzan Benites


A Rota ou Corredor Bioceânico vai expandir a relação comercial do Estado com países asiáticos e sul-americanos e deve fomentar a diversificação da produção sul-mato-grossense. 

Além disso, traz a possibilidade de novos negócios durante o trajeto. De acordo com a gestão estadual, o projeto tem atraído interesse de muitas indústrias.

Segundo o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, o projeto caminha bem e traz muitas possibilidades para o Estado.

“A gente percebe uma mudança na dimensão desse projeto em âmbito nacional. Ele entrou hoje na perspectiva de investimentos nacionais. As pessoas estão interessadas. Temos recebido indústrias que têm interesse em se instalar em Mato Grosso do Sul em decorrência de todo o processo da rota. Então acho que tem um alinhamento bastante significativo”, analisa Verruck.

Últimas notícias 

O objetivo da criação de um corredor rodoviário é ligar os oceanos Atlântico e Pacífico, permitindo a conexão viária do Centro-Oeste brasileiro aos portos de Antofagasta e Iquique (Chile), passando por Paraguai e Argentina.

AGRICULTURA

O projeto de pesquisa e extensão Corredor Bioceânico da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) aponta as possibilidades de diversificar a agricultura familiar em todo o trajeto da Rota. 

Segundo o estudo, leite, mel, mandioca e abóbora estão entre os principais produtos da agricultura familiar que poderão movimentar a economia local e melhorar a renda dos pequenos agricultores nas regiões alcançadas pelo corredor.  

Em Mato Grosso do Sul, o trajeto da Rota compreende as cidades de Sidrolândia, Nioaque, Jardim, Guia Lopes da Laguna e Porto Murtinho. 

O mapeamento da agricultura familiar nesses municípios foi realizado pelo pesquisador e professor da UFMS Edgar Aparecido da Costa, com a participação da acadêmica do curso de Geografia da universidade Glenda Rodrigues.

“Olhamos para a agricultura familiar como um grande potencial, como algo a ser otimizado a partir das possibilidades que o Corredor Bioceânico vai proporcionar, mas também olhamos para ela com os cuidados de que a Rota não a faça sucumbir”, afirma o pesquisador.

São 35 assentamentos rurais, com 5.676 famílias, nas cidades sul-mato-grossenses alcançadas pela Rota, conforme levantamento feito a partir dos dados da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer).

“Nem todos são produtivos, e um dos grandes problemas dos assentados rurais é que eles consigam a DAP, a Declaração de Aptidão ao Pronaf. Sem a DAP, o agricultor não consegue comercializar, não consegue crédito para incrementar a produção”, explica Costa.

O secretário Jaime Verruck acredita que a Rota vai gerar desenvolvimento para todas as regiões do Estado.  

“A grande questão que eu tenho discutido com os municípios é como as cidades se apropriam desse grande projeto estruturante para o desenvolvimento do Estado, do País e dos países vizinhos. Nós temos de estar preparados para isso. Na agricultura familiar estamos com um projeto para ver que tipo de produto e como ela expande. E temos de falar em escala de produção, competitividade da produção e tipo de produto”.  

PRODUÇÃO

Conforme identificado pelo estudo da UFMS, os principais produtos encontrados nos assentamentos rurais ao longo da Rota são: leite, mel, mandioca, abóbora, ovos e cana-de-açúcar.

A produção de leite foi identificada em todas as cidades analisadas, com destaque para Sidrolândia, com 7.561 litros de leite em 2018, e Nioaque, com produção de 3.057 litros de leite no mesmo ano.

 Jardim (1.643 litros), Guia Lopes da Laguna (957 litros) e Porto Murtinho (800 litros) registraram quantidades menores.

“É interessante destacar que a partir do leite temos vários derivados, várias composições que podem acontecer, como doces e queijos. O leite pode ser associado com a abóbora, que é também um produto bastante relevante ao longo da Rota”, avalia Edgar da Costa.

Outra potencialidade é a produção de mel, principalmente em Jardim, com produção de 48 toneladas em 2018, e Guia Lopes da Laguna, com 21 toneladas no mesmo ano. 

A produção também ocorre nos municípios de Sidrolândia (7,9 toneladas), Nioaque (7 toneladas) e Porto Murtinho (1,6 tonelada).

“Muitos desses produtores não vendem formalmente, são informais. Apenas Guia Lopes da Laguna tem uma grande quantidade de venda de mel. Jardim não tem e é o maior produtor. Então, percebemos que uma das possibilidades é alavancar esse sistema de comercialização do mel”, considera o pesquisador.

A mandioca também é apontada pelos pesquisadores como uma potencialidade a ser explorada em Sidrolândia, que possui 350 hectares de área plantada do produto, e Nioaque, com 150 hectares. 

Também foi identificada produção de mandioca em Jardim (100 hectares), Guia Lopes da Laguna (80 hectares) e Porto Murtinho (35 hectares).

O levantamento dos principais produtos foi realizado com base em dados do Censo Agropecuário de 2017, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Produção Agrícola Municipal (PA) e Produção da Pecuária Municipal (PP) de 2018.

Obras avançam para a consolidação do Corredor

Para que a Rota Bioceânica cumpra seu objetivo de escoar a produção para o mercado asiático com competitividade e curto tempo, ela precisa de uma forte estrutura logística entre os quatro países por onde vai passar. 

Diversas obras de infraestrutura estão sendo realizadas, no Paraguai, por exemplo, 50% do traçado da Rota está asfaltado (trecho de Loma Plata a Carmelo Peralta). E o governo paraguaio já autorizou mais duas partes de asfalto.

Em 2020, o governo de Mato Grosso do Sul concluiu a pavimentação de 7,19 km do trecho que interliga a BR-267 aos portos de Porto Murtinho, tirando o tráfego pesado da área central. 

E iniciou as obras das rotatórias no acesso à cidade, sendo uma em frente ao Centro de Triagem Mecari e a outra na entrada da cidade, disciplinando o trânsito e conectando-se às duas extremidades do anel viário.

Também está em andamento a elaboração dos estudos e do projeto do acesso à ponte sobre o Rio Paraguai, em Porto Murtinho. 

A contratação foi feita pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para o contorno de 13,10 km de extensão, localizado entre o km 678,10 e o km 691,20 da BR-267 e o Centro Integrado de Controle de Fronteira.

“A Rota tem andado muito bem. A fase em que nós estamos agora é a de finalização do projeto de acesso ao aeroporto e da estruturação da área de controle alfandegário. Todas as instituições estão trabalhando para isso. 

Lá em Porto Murtinho já terminamos o anel viário de acesso aos portos, que foi um investimento de mais de R$ 25 milhões, e estamos fazendo uma rotatória de acesso ao centro de triagem para caminhões, também com investimento do Estado. O governo federal está fazendo o acesso à ponte. O projeto da ponte está praticamente finalizado para que seja licitado ano que vem”, afirmou Verruck.  

“A Rota Bioceânica é construída por quatro países impactados pelo projeto. E conta com a participação ativa dos governos federais e estados e da Itaipu, no desenho [do projeto] e alocação de recursos, além da integração e apoio dos ministérios [Economia, Infraestrutura] para que o projeto avance”, finalizou o secretário.