Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROJETO E PAVIMENTAÇÃO

Rota Bioceânica: ponte que liga Brasil e Paraguai é a próxima etapa na concretização do corredor

Atualização da infraestrutura de Porto Murtinho é peça fundamental para logística de entrada
04/10/2020 11:00 - Rodrigo Almeida


Na última terça-feira (29), o Governo do estado homologou a contratação de empresa que fará a elaboração do estudo e projeto para o contorno rodoviário em Porto Murtinho. 

A obra de acesso à Ponte Internacional Brasil/Paraguai e o Centro Integrado de Controle de Fronteira são mais um passo para a implantação da Rota Bioceânica, que liga os oceanos Pacífico e Atlântico e integra a infraestrutura de escoamento de produção de Brasil, Paraguai, Argentina e Chile. 

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, “o andamento do projeto mostra o compromisso do Brasil com o governo paraguaio, que está executando o projeto da ponte e com a Rota Bioceânica”.

Projeto com mais de 60 anos de história, o Corredor promete trazer alta circulação de mercadorias com valor agregado ao estado e desenvolvimento. 

Alternativa de escoamento, os produtos com destino ao sudeste asiático terão encurtada o tempo de viagem em até duas semanas, avisam especialistas. 

A empresa vencedora da licitação é a Etelestudos Técnicos Ltda, pelo valor de R$ 1,544 milhão. O processo será conduzido pela Superintendência Regional do Dnit em Mato Grosso do Sul. O superintendente Euro Nunes Varanis Junior explica que a contratação sai em 10 dias e o cronograma de execução é de 521 dias.

“O empenho é solicitado por Mato Grosso do Sul e corre em Brasília. Já a execução do projeto, a fiscalização e aprovação também realizadas por aqui”, explica Euro. 

A contratação inclui a Elaboração de Estudos e Projetos Básico e Executivo de Engenharia do Contorno Rodoviário Norte em Porto Murtinho/MS com acesso à Ponte Internacional Brasil/Paraguai e instalações aduaneiras para o Centro Integrado de Controle de Fronteira na BR-267.

 
 

Ponte sobre o rio Paraguai e a Rota Bioceânica

Ainda de acordo com o Governo do Estado, o projeto da ponte serve para interligar a infraestrutura que já está sendo atualizada na região. 

Com investimento de mais de R$ 25 milhões, a obra de pavimentação do acesso à região portuária de Porto Murtinho já está 80% concluída, e pode até ser finalizada antes do prazo (dezembro de 2020), afirma em nota. 

Os trabalhos contam com a pavimentação dos 7,19 quilômetros, entre a BR-267 e a região dos portos, ao sul da cidade. A obra faz parte também de um plano para reforçar a estrutura logística de Porto Murtinho e toda região sudoeste de Mato Grosso do Sul. Os recursos para o asfaltamento são oriundos do Fundo de Desenvolvimento Rodoviário de Mato Grosso do Sul (Fundersul).

“Essa é uma obra de extrema importância para o Estado, em todos os aspectos. Esse acesso vai, além de tudo, desviar o tráfego de caminhões pesados que passam por dentro da cidade”, destacou o vice-governador e secretário de Infraestrutura, Murilo Zauith.

Dois terminais portuários já estão em funcionamento no município e já existe a previsão da construção de mais um, o que demonstra ainda mais a necessidade da pavimentação.

O secretário de titula dar Semagro, Jaime Verruck, afirmou, logo após o início da obra (em abril), que “desde 2014 o governo Reinaldo criou um Programa de Incentivos à Exportação para potencializar o uso dos portos e, principalmente, da hidrovia”. 

As atualizações nos portos, aumento da capacidade da hidrovia, armazenamento e estocagem de produtos, e a ponte para o Paraguai devem melhorar o acesso de produtos de valor agregado ao estado, melhorando o escoamento de mercadorias por terminais intermodais. 

De acordo com o professor Francisco Bayardo, pesquisador do projeto de pesquisa e extensão da UFMS sobre o Corredor, a cidade ainda precisa de investimentos básicos nos setores de hotelaria, restaurantes, postos de gasolinas e estrutura básica para viajantes. 

 
 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido