Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RECUPERAÇÃO ECONÔMICA

Sem representante da Economia, governo lança programa Pró-Brasil para retomada

Primeira reunião de trabalho será na próxima sexta-feira
22/04/2020 20:00 - Estadão Conteúdo


 

O programa Pró-Brasil de recupação econômica pós-Covid-19, lançado nesta quarta-feira, 22, terá sua implantação começando em larga escala a partir de outubro. O cronograma de elaboração do programa foi apresentado pelo ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, apesar das divergências da equipe econômica.

Todos os ministérios vão poder fazer propostas para o programa. Segundo Braga Netto, a aceitação do programa foi unânime em todos os ministérios, mas não há na entrevista de apresentação do programa nenhum integrante da equipe econômica.

Braga Neto disse que a motivação do programa foi baseada no fato de que muitos ministérios começaram apresentar propostas, que serão agora organizadas. "Propusemos o programa a todos os ministros. Foi aceitação unânime a necessidade do programa. E cada ministério vai ter um coordenador", disse Braga Netto.

A primeira reunião de trabalho será na próxima sexta-feira, quando cada ministro vai levar as suas propostas. A fase de estruturação será feita entre maio a julho. Os detalhes dos projetos serão feitos em setembro para a implantação a partir de outubro.

Ordem e progresso

O projeto terá duas vertentes: ordem e progresso, com investimentos estruturantes e ações estratégicas do setor público. Na parte de ordem, haverá arcabouço normativo, investimentos privados, segurança jurídica e produtividade, melhoria do ambiente de negócios e mitigação do impacto socioeconômico.

Na frente progresso, a previsão é de investimentos em obras públicas e parcerias com o setor privado.

O programa tem foco também, além de infraestrutura, mas desenvolvimento do setor produtivo, capital humano. O foco na infraestrutura, citado por Braga Netto, foi transporte, logística, energia, mineração, desenvolvimento regional em cidades e telecomunicações.

Felpuda


Nos bastidores, há quem garanta que a única salvação, de quem está com a corda no pescoço, é ele aceitar ser candidato a vice-prefeito em chapa de novato no partido. Vale dizer que isso nunca teria passado por sua cabeça, uma vez que foi eleito com, digamos, “caminhão de votos”. Se aceitar a imposição, pisaria na tábua de salvação; se recusar, poderá perder o mandato. Ah, o poder!